Rádio Observador

Estados Unidos da América

Três respostas para entender o Dia de Ação de Graças

O feriado é esta quinta-feira, e milhares de norte-americanos estão a regressar às suas cidades de origem para celebrarem o Thanksgiving com a família. Mas o que é, afinal, o Dia de Ação de Graças?

Getty Images

Todos os anos, no final de novembro, milhares de norte-americanos saem das cidades em que vivem para regressarem aos locais onde nasceram e celebrarem o Thanksgiving Day, Dia de Ação de Graças. O regresso em massa, este ano, já provocou aquele que está a ser considerado o pior engarrafamento do mundo, na Califórnia. E Obama já atribuiu, como é hábito, o perdão presidencial a dois perus, na Casa Branca E até Trump já discursou.

Mas o feriado não é estranho para os europeus — a cultura pop norte-americana enche-nos de referências ao feriado, com episódios especiais em séries e filmes. Mas, afinal, o que é mesmo este feriado vindo do outro lado do oceano? O Observador ajuda a responder a algumas questões.

O que é o Dia de Ação de Graças?

É um feriado nacional celebrado sobretudo nos Estados Unidos da América e no Canadá (se bem que em datas diferentes). Neste dia, é tradição as famílias norte-americanas juntarem-se em casa — tal como no Natal — para partilharem uma refeição em conjunto (habitualmente perú).

A história do feriado remonta a muito antes da independência dos EUA. A tradição norte-americana situa o primeiro Dia de Ação de Graças no ano de 1621 — antes, já eram comuns as celebrações de agradecimento a Deus em vários locais do império britânico. Nesse ano, uma plantação na colónia de Plymouth, no estado do Massachusetts, deu origem a uma colheita particularmente boa. Os festejos foram testemunhados pelos chamados Pais Peregrinos, os primeiros colonizadores daquela região, oriundos de congregações religiosas britânicas ligadas aos ideais calvinistas.

Dois anos depois, na sequência de uma nova temporada de boas colheitas, os Pais Peregrinos organizaram uma celebração religiosa de agradecimento a Deus. Esta comemoração está associada ao nascimento do feriado atual, que foi oficialmente instituído pelo primeiro presidente dos Estados Unidos, George Washington, em 1789.

Esta é, claro, uma das explicações históricas para a origem do feriado. Os espanhóis, por seu turno, reclamam para si a verdadeira origem da celebração. Como conta o jornal ABC, já pelo menos em 1565 e em 1598 os colonizadores espanhóis, que chegaram sobretudo à América do Sul e Central, tinham realizado celebrações de ação de graças semelhantes, no território onde agora se localizam os EUA, e que os britânicos haveriam de conquistar mais tarde.

Como se celebra o Dia de Ação de Graças?

A efeméride tem uma origem religiosa, mas é atualmente celebrada por todos, independentemente das suas crenças. Além da grande reunião familiar à volta do tradicional peru (tradição a que o presidente dos EUA se associa sempre, com o perdão do peru), é comum a realização de grandes desfiles nas ruas das cidades e de jogos de futebol americano especiais. Tal como no Natal, há um conjunto de iniciativas solidárias que estão associadas à Ação de Graças, sobretudo distribuição de refeições aos mais carenciados.

A dimensão religiosa que esteve na origem do feriado não é, contudo, esquecida. São muito frequentes as celebrações religiosas neste dia, destinadas a agradecer a Deus pelos mais diversos motivos — como pela família ou pelo ano que passou. Outra forma é a oração antes da refeição, realizada sempre pelas famílias no jantar de Ação de Graças.

Mas o peru é mesmo o grande símbolo do feriado. O The New York Times ensina a cozinhar a ave à maneira tradicional, e aconselha os americanos a encomendarem o peru com três ou quatro semanas de antecedência — só para ter uma ideia da procura que há.

Quando é o Dia de Ação de Graças?

Este feriado comemora-se em dias diferentes em diversos países. Nos Estados Unidos, onde a tradição é mais conhecida, o Dia de Ação de Graças assinala-se na quarta quinta-feira de novembro — ou seja, esta quinta-feira. Já no Canadá, onde a tradição também é muito relevante, o feriado acontece muito antes, na segunda segunda-feira do outubro — foi a 10 de outubro. A efeméride é celebrada em diversos outros países, cada um com as suas datas específicas, mas sempre entre outubro e novembro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Racismo

A racialização da política é isto /premium

Rui Ramos
137

As democracias têm de tratar todos os cidadãos como iguais, com os mesmos direitos e obrigações, e ajudar os mais pobres e menos qualificados, sem fazer depender isso de "origens" ou "cores".

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)