Na sequência dos repetidos reparos daqueles que se deparavam com evidentes dificuldades em utilizar os seus famosos supercarregadores, a Tesla decidiu implementar uma medida que visa aumentar a respectiva disponibilidade, penalizando o uso abusivo.

O conceito é fácil de perceber. Um supercarregador é, por definição, um posto de carga rápida. Que tem vantagens e desvantagens: se, por um lado, garante aos modelos da marca uma autonomia interessante num curto período de carregamento (metade da carga da bateria em 20 minutos), por outro – e como qualquer solução do género – não deixa de ser prejudicial para a longevidade das baterias. Logo, não é expectável que a maioria dos que os utilizam não esteja necessitada da tal obtenção de uma autonomia mínima, no mais breve espaço de tempo possível. Sendo, naturalmente, frustrante chegar a uma estação de supercarregadores e não ter um lugar disponível para carregar o automóvel, apenas porque os anteriores utilizadores não se deram ao trabalho de ir retirar o seu automóvel do local, estando este já totalmente carregado.

Eis a lógica da Tesla: na informação disponibilizada aos seus clientes, a marca começa por referir que, se no caso de um automóvel tradicional, ninguém vai a um posto de abastecimento para lá deixar o seu automóvel estacionado junto à bomba, também não é aceitável que o faça nas suas estações de supercarregadores. Pelo que, a partir de agora, se o fizer, o tempo de inactividade que o veículo lá permanecer passará a ser cobrado… ao minuto.

teslas-supercharger-global-network-reaches-almost-400-charging-stations-93146_1

Por enquanto, a marca vai dar alguma tolerância. Pouca: 5 minutos

A partir do momento em que o automóvel esteja carregado, o respectivo proprietário pagará, por cada minuto que este se mantenha ligado ao posto, 40 cêntimos de dólar nos EUA, 35 cêntimos de euro nos países europeus que aderiram à moeda única e, por exemplo, 30 cêntimos de libra no Reino Unido (valores que já incluem IVA e outras possíveis taxas aplicáveis). Sendo de destacar que as tarifas são cumulativas sem limite temporal e independentemente de, no local, até existirem outros postos de carregamento livres. Contas feitas, na Europa, “esquecer” o Tesla ligado ao posto durante 24 horas custará qualquer coisa como 432€, aplicáveis a qualquer modelo da marca (todas a versões dos Model S e Model X).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Por enquanto, para que os utilizadores se habituem a esta nova medida, a Tesla decidiu dar-lhes alguma tolerância: se o veículo for retirado do local nos primeiros cinco minutos após o carregamento ter sido efectuado, o débito será perdoado. Os valores em dívida serão cobrados aos clientes na sua próxima visita a um concessionário da marca (por exemplo, para efectuar uma revisão), e o utilizador será dos mesmos notificado através da app da marca que permite interagir com o veículo. A mesma que informa, entre várias outras coisas, acerca de quando se iniciou e terminou o carregamento do veículo, precisamente para evitar “esquecimentos”.