Cinema

Debbie Reynolds, mãe de Carrie Fisher, morre um dia depois da filha

1.144

A atriz Debbie Reynolds, de 84 anos, tinha sido hospitalizada esta quarta-feira por suspeita de AVC. Estava a preparar o funeral da filha Carrie quando se sentiu mal.

Debbie Reynolds morreu esta quarta-feira no Hospital Cedars-Sinai Medical Center, em Los Angeles, um dia depois da filha, Carrie Fisher. A morte da lenda de Hollywood foi confirmada à imprensa norte-americana pelo seu filho Todd Fisher. Debbie estava internada desde a noite de terça-feira na sequência de um acidente vascular cerebral (AVC).

“A última coisa que ela disse esta manhã foi que estava muito, muito triste por ter perdido a Carrie e que gostava de estar com ela outra vez”, contou Todd Fisher ao jornalistas, citado pelo The Guardian. “Quinze minutos depois, teve um AVC muito forte.”

Debbie estava em casa de Todd a tratar dos preparativos para o funeral da filha quando se sentiu mal, obrigando a família a chamar uma ambulância. Foi imediatamente hospitalizada no Hospital Cedars-Sinai, acabando por morrer na manhã de quarta-feira. “Agora ela está com a Carrie e nós estamos todos de coração partido”, afirmou Todd Fisher.

A atriz Carrie Fisher, conhecida pelo papel de Princesa Leia na Guerra das Estrelas, morreu na terça-feira depois de ter sido hospitalizada na semana passada na sequência de um ataque cardíaco. Carrie estava a voar de Londres para Los Angeles quando, 15 minutos antes de chegar à cidade da Califórnia, terá tido uma paragem cardíaca.

LOS ANGELES, CA - JANUARY 25: Actresses Debbie Reynolds (L), recipient of the Screen Actors Guild Life Achievement Award, and Carrie Fisher pose in the press room at the 21st Annual Screen Actors Guild Awards at The Shrine Auditorium on January 25, 2015 in Los Angeles, California. (Photo by Ethan Miller/Getty Images)

Debbie Reynolds e Carrie Fisher em janeiro deste ano (Ethan Miller/Getty Images)

No mesmo dia, Debbie Reynolds agradeceu no Facebook as mensagens de condolências enviadas pelos fãs da filha. “Agradeço a todos os que abraçaram o talento da minha amada e incrível filha. Estou grata pelos vossos pensamentos e preces que estão a guiá-la para a sua próxima morada. Com amor. A mãe de Carrie”, escreveu.

Nascida a 1 de abril de 1932 em El Paso, no estado do Texas, Mary Frances Reynolds, mais conhecida por Debbie Reynolds, começou a carreira de atriz com apenas 16 anos, depois de ter sido descoberta pela Warner Bros num concurso de beleza.

Em 1950, participou no filme de Richard Thorpe Three Little Words (adaptado a partir de uma peça de George Wells), o primeiro de vários musicais em que entrou nos anos 50. O seu desempenho valeu-lhe uma nomeação para os Globos de Ouro, na categoria de Melhor Revelação. Foi, porém, com o famoso musical Serenata à Chuva (1952), que protagonizou ao lado de Gene Kelly, que Debbie Reynolds ficou para a história do cinema.

Casou-se em 1955 com o cantor Eddie Fisher (o primeiro de três maridos), com quem teve dois filhos — Carrie e Todd. O casal divorciou-se poucos anos depois, em 1959, depois de Eddie se ter envolvido com uma das melhores amigas de Debbie — Elizabeth Taylor — que tinha ficado viúva há pouco tempo. Carrie tinha apenas dois anos.

Em 1956, voltou a ser nomeada para um Globo de Ouro com Bundle of Joy e, em 1964, para um Óscar pelo seu desempenho em Os Milhões de Molly Brown. Ao longo da sua extensa carreira, participou em mais de 60 filmes, sobretudo de comédia. Em janeiro de 2015, Debbie Reynolds recebeu o prémio de carreira Screen Actors Guild Life Achievement, atribuído pelo Screen Actors Guild.

Este ano, recebeu o Prémio Humanitário Jean Hersholt, atribuído pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas norte-americana (que todos os anos organiza a cerimónia dos Óscares), que pretende homenagear as personalidades do mundo do cinema que tiveram um contributo especial para causas humanitárias. Audrey Hepburn, Elisabeth Taylor, Jerry Lewis, Angelina Jolie, Oprah Winfrey são algumas das estrelas de Hollywood que receberam o galardão.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)