O PCP vai apresentar um projeto de resolução para pressionar o Governo socialista a travar a venda do Novo Banco, mantendo assim o banco na esfera pública. A iniciativa foi apresentada esta quinta-feira, no Parlamento. Em declarações aos jornalistas, o deputado comunista Miguel Tiago lembrou a posição assumida desde sempre pelo partido e comparou a venda do Novo Banco ao que aconteceu ao BPN.

“O PCP rejeita a hipótese de entregar o Novo Banco aos privados”, começou por dizer o comunista, lembrando que o Estado português já investiu 4,9 mil milhões de euros para salvar a instituição financeira e que, nesta altura, “é já impossível ressarcir os portugueses daquilo que perderam”. “Era o que mais faltava ficarmos sem ele por uma bagatela. Além disso, o banco é um instrumento de soberania política”, afirmou Miguel Tiago.

O deputado do PCP salvaguardou, no entanto, que os comunistas não pretendem uma nacionalização “linear” do Novo Banco. Ou seja, explicou Miguel Tiago, se há dívida no Novo Banco que resulta da anterior gestão do BES, essa situação deve ser devidamente corrigida. “Não estamos a defender a nacionalização do prejuízo. Há bens do grupo GES, capital e património, que devem ser chamados a pagar a dívida. Não se pode apagar a dívida”.

Sobre eventuais conversações com o Governo socialista nesta matéria, Miguel Tiago lembrou mais uma vez que a posição conjunta assinada entre PS e PCP “não contempla nenhuma espécie de acordo em relação ao sistema financeiro” e que, de resto, “são conhecidas as divergências de fundo” entre os dois partidos nesta área. Na quarta-feira, o Banco de Portugal anunciou que o fundo norte-americano Lone Star é o mais bem colocado para comprar o Novo Banco e vai passar à derradeira fase de negociações.