Rádio Observador

Costa Concordia

Comandante do Costa Concordia é agora um autor bestseller

Francesco Schettino, condenado por ter levado à morte 32 pessoas durante o naufrágio do Costa Concordia, tornou-se um autor bestseller com um livro em que conta a sua versão da história.

O Costa Concórdia naufragou a 13 de janeiro de 2012

Getty Images

Cinco anos depois de o Costa Concordia ter naufragado o largo de Itália, aconteceu o inesperado: o comandante Francesco Schettino, condenado a 16 anos de prisão pelo acidente, tornou-se num autor bestseller. Tudo graças ao livro Le vertià sommerse (em português, As verdades submersas), onde relata a sua versão do que aconteceu a 13 de janeiro de 2012.

Publicado originalmente em 2015, a primeira edição italiana de Le vertià sommerse esgotou em menos de um mês. Ao longo de 608 páginas, Francesco Schettino, tenta explicar que o acidente, que ocorreu a 150 metros da costa da ilha de Giglio, em Itália, e que provocou a morte de 32 pessoas, não foi culpa sua.

Desde então, Le vertià sommerse já foi reeditado inúmeras vezes e continua a fazer sucesso nas livrarias. Pietro Graus, editor da Graus Editore, disse ao El Mundo que o livro já vendeu mais de 20 mil exemplares e que está previsto para breve uma edição em espanhol.

A 13 de janeiro de 2012, o Costa Concordia desviou-se da rota e embateu contra uns rochedos ao largo da ilha de Giglio. O acidente foi comunicado uma hora depois por Francesco Schettino, que garantiu à guarda-costeira que o navio ainda flutuava. Schettino apressou-se a abandonar o navio, enquanto o mais de três mil passageiros e mil tripulantes se encontravam ainda no seu interior. Apesar das autoridades portuárias terem ordenado que regressasse que ajudasse a organizar a evacuação do navio, recusou-se a fazê-lo.

A demora na comunicação do embate às autoridades fez com que a evacuação do navio levasse muito mais tempo — mais de seis horas –, o que fez com que muitos passageiros nem conseguissem abandonar o navio. Das mais de quatro mil pessoas que se encontravam no interior do Costa Concordia, 32 morreram. As buscas pelos corpos das vítimas arrastaram-se durante anos. O corpo do último tripulante, o empregado de mesa Russel Rebello, foi encontrado em novembro de 2014.

Em fevereiro de 2015, Francesco Schettino foi condenado a 16 anos de prisão por homicídio (o Ministério Público tinha pedido 26 anos). O comandante ainda recorreu, mas a sentença foi confirmada em segunda instância em maio de 2016.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)