PSD

Carlos Abreu Amorim classifica sondagens de “burla institucionalizada”

827

O vice-presidente da bancada parlamentar do PSD, Carlos Abreu Amorim, compara técnicos da "arte" da sondagem aos videntes da Antiguidade que viam o futuro através do fígado das aves.

JOÃO RELVAS/LUSA

O vice-presidente da bancada parlamentar do PSD, Carlos Abreu Amorim, desvaloriza a sondagem que indica que o primeiro-ministro, António Costa, perde popularidade pela primeira vez e em que Pedro Passos Coelho é o líder que mais popularidade perde. Na sua página pessoal no Facebook, Abreu Amorim diz que, no seu entender, “as sondagens que por cá se fazem são uma burla institucionalizada.”

O dirigente da bancada social-democrata explica que se não dá “credibilidade às sondagens quando estas são desfavoráveis ao PSD, também não as posso considerar quando os resultados parecem ser mais agradáveis.” Carlos Abreu Amorim explica depois, com ironia, que o facto de não acreditar em sondagens “não significa que todos aqueles que trabalham nessa arte sejam burlões — tal como não o eram os que na Antiguidade perscrutavam o futuro através das tonalidades do fígado das aves (e que, dizia-se, acertavam quase sempre)…”

Carlos Abreu Amorim sugere que o partido não mude ao sabor das sondagens. “Continuemos, pois, a fazer o que temos de fazer em nome daquilo que julgamos melhor para o País. São hoje muitos mais aqueles que percebem o logro em que esta geringonça consiste. E cada vez mais seremos mais. Sei-o não porque alguma sondagem mo ensinou – mas porque a boa perceção das coisas é fundamental em política”, defende o dirigente da bancada social-democrata.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos
195

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Rui Rio

Dr. Rio, deixe o PS em paz /premium

Rui Ramos
260

Rui Rio ainda quer fazer reformas estruturais com o PS. Mas porque é que o PS haveria de se comprometer em reformas com a direita? Para dar espaço a movimentos à sua esquerda? 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)