Martin Schulz, ex-presidente do Parlamento Europeu e candidato do partido de centro-esquerda SPD às eleições legislativas alemãs, ultrapassou pela primeira vez numa sondagem a atual Chanceler alemã, Angela Merkel. Ainda que a margem seja muito reduzida — 31% contra 30% –, há um dado a reter: esta é primeira vez desde 2012 que o instituto INSA, responsável pelo inquérito, coloca o SPD à frente da União Democrata-Cristã/União Social-Cristã (CDU/CSU).

A sondagem foi divulgada pelo jornal Bild na segunda-feira, mas ainda não permite retirar grandes ilações: antes, no domingo, o mesmo Bild divulgara uma sondagem do instituto Emnid que dava vantagem à CDU de Angela Merkel (33% contra 29%). Ainda assim, os dados apontam todos no mesmo sentido: o crescimento do partido de centro-esquerda nas intenções de voto.

Ainda segundo a sondagem do INSA, o Die Linke, de extrema-esquerda, alcançaria os 10%, Os Verdes alemães 7% e os Liberais 6%. Destaque para as intenções de voto da Alternativa para a Alemanha: segundo a mais recente sondagem, o partido populista anti-imigração obteria 12%, o que representa uma queda significativa desde de dezembro, altura em que registava 15% nas intenções de voto.

Em junho, Martin Schulz esteve em Portugal, para o congresso do PS, onde aproveitou para tecer críticas à União Europeia. “Enfrentamos uma situação em que especuladores fazem biliões de lucros e não pagam impostos, mas quando enfrentam perdas os contribuintes têm de pagar por eles. Isto não é União Europeia”, sublinhou na altura o alemão.

Schulz aproveitaria ainda para elogiar os socialistas portugueses, um partido que “dá esperança a todos os partidos socialistas na Europa”. “É do que precisamos na União Europeia”, afirmou o ex-Presidente do Parlamento Europeu.

E, também por isso, há outro dado curioso a reter desta sondagem: ainda que uma eventual “geringonça” alemã — com o SPD, o Die Linke e Os Verdes — seja considerada politicamente pouco provável, com esta sondagem, os três partidos estariam perto de conseguir (aritmeticamente, pelo menos), a maioria.