Rádio Observador

Jaime Nogueira Pinto

CDS pede esclarecimentos sobre cancelamento de conferência. “Não estamos no PREC”

1.805

Deputados do CDS exigem que Governo esclareça o cancelamento da conferência de Jaime Nogueira Pinto na Universidade Nova e diga como vai evitar novos "ataques à liberdade de expressão".

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O CDS vai enviar um requerimento a dois ministros para esclarecer o “ataque ao pluralismo democrático” que aconteceu com o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) da Universidade Nova de Lisboa. O vice-presidente da bancada do CDS, Telmo Correia, considera o cancelamento “muito grave” e lembra ao Governo: “Não estamos no PREC [Processo Revolucionário em Curso].”

Em causa está uma conferência-debate organizada pelo movimento Nova Portugalidade que estaria marcado há cerca de duas semanas, para o auditório 2 da torre B da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) da UNL e que a pouco mais de 24 horas da hora marcada (18h30 de terça-feira, 7 de março) acabou cancelado. O próprio diretor da faculdade informou Jaime Nogueira Pinto, único orador, que “por razões de segurança” a conferência “Populismo ou Democracia? O Brexit, Trump e Le Pen em debate” não ser iria realizar acontecer.

Telmo Correia lembra precisamente que se tratava de “uma conferência sobre política internacional promovido por um grupo de estudantes e terá tido uma deliberação contrária da própria Associação de Estudantes, que levou a direção a, por razões de segurança relacionadas com eventuais ameaças, decidir o cancelamento desta conferência.” Ora, isto para o CDS “não é aceitável”.

O deputado centrista exige respostas sobre o motivo do cancelamento: “Nós vivemos numa democracia há muitos anos. A tradição, precisamente, universitária deve ser uma tradição de formação, de pluralismo, de ouvir opiniões contrárias. Portanto, independentemente dos organizadores este é um facto que, da parte do CDS, exige esclarecimentos.” É por isso que, além de uma declaração esta terça-feira no Parlamento, o CDS anunciou que já dirigiu um “requerimento ao ministro da Ciência e do Ensino Superior e ao ministro adjunto que tem a tutela de matérias de cidadania para saber que conhecimento têm desta situação e se vão tomar medidas para evitar que este tipo de abusos e ataques à liberdade de expressão e ao pluralismo democrático não possam ocorrer na nossa sociedade.”

Entretanto têm existido diferentes reações ao cancelamento da conferência de Jaime Nogueira Pinto. O deputado socialista Ascenso Simões escreveu no Twitter que “um país que permite que, numa universidade, se cale Jaime Nogueira Pinto não é o país de Mário Soares.” E o deputado João Soares, que é também sócio da Associação 25 de Abril, disse ter orgulho em a associação se ter disponibilizado para receber a conferência.

Em sentido inverso, o deputado do comunista, Miguel Tiago, escreveu no Facebook que “uma democracia que tolera fascistas é suicida. Uma que os promove é falsa.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Salazar

O lugar do morto /premium

Helena Matos

Em Santa Comba, a imagem da campa rasa de Salazar tem uma clara leitura política: morreu pobre o homem que esteve 40 anos no centro do poder em Portugal. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)