Prémios e Galardões

Prémio Fluviário Jovem Cientista do Ano para investigador da Universidade de Lisboa

O investigador Bruno Martins Carreira, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, venceu o 7.º Prémio Fluviário de Mora - Jovem Cientista do Ano, relativo a 2016, revelou hoje à agência Lusa fonte da organização.

MAFALDA LEITAO/LUSA

O investigador Bruno Martins Carreira, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, venceu o 7.º Prémio Fluviário de Mora – Jovem Cientista do Ano, relativo a 2016, revelou esta quarta-feira à agência Lusa fonte da organização.

O prémio, instituído pelo Fluviário de Mora, no distrito de Évora, distingue anualmente um aluno (de licenciatura, mestrado ou doutoramento) que publique, como primeiro autor e no ano do concurso, um artigo sobre conservação e biodiversidade de recursos aquáticos continentais (estuários e rios).

O vencedor desta 7.ª edição do concurso era aluno do doutoramento em Biologia da Universidade de Lisboa, quando se candidatou, e, agora, é aluno de pós-doutoramento e investigador do cE3c — Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais, na mesma instituição. A bióloga responsável pelo Fluviário de Mora, Luísa Sousa, disse esta quarta-feira à Lusa que Bruno Carreira conquistou o galardão com o artigo científico “Warm vegetarians? Heat waves and diet shifts in tadpoles”, publicado na revista norte-americana Ecology e assinado por mais investigadores.

“O trabalho aborda os impactos das ondas de calor em anfíbios”, resumiu a bióloga, referindo que o investigador vai receber o prémio, no valor de 500 euros, na sexta-feira, no âmbito das comemorações do 10.º aniversário do Fluviário.

Contactado esta esta quarta-feira pela Lusa, Bruno Carreira disse estar “orgulhoso e feliz” pela distinção, que constitui “um reconhecimento e apreciação do trabalho” que realizou, com outros investigadores, no âmbito do seu doutoramento. O estudo avaliou o possível impacto das ondas de calor, causadas pelas alterações climáticas, nas preferências alimentares de animais ectotérmicos, ou seja, de sangue frio.

Os investigadores do cE3c, em colaboração com a Universidade de Uppsala, na Suécia, analisaram a rã-de-focinho-pontiagudo, a rela ou rã-arborícola-europeia e a rela-meridional, três espécies de anfíbios existentes em Portugal, duas delas recolhidas em Grândola, no Alentejo, em charcos temporários mediterrânicos.

Tendo estudado quais as condições nos charcos e as temperaturas que aconteciam durante ondas de calor, pegámos em girinos dessas três espécies e, em laboratório, submetê-los a ondas de calor, para vermos como é que isso afetava a sua dieta alimentar”, explicou o investigador.

O “resultado mais importante”, destacou, foi o de terem verificado que, “durante as ondas de calor, estas espécies respondem com o aumento da sua assimilação de matéria vegetal”. O aumento da temperatura da água, precisou, leva a que estes anfíbios, que “são omnívoros, ou seja, alimentam-se de vegetação e de insetos subaquáticos”, adotem “uma dieta mais herbívora e mais vegetariana”.

“A importância disto é que, perante um cenário de aquecimento global, todos estes animais vão, gradualmente, tornar-se mais herbívoros, o que vai ter implicações sérias para os ecossistemas, porque vai provocar desequilíbrios e alterações na cadeia alimentar”, alertou.

Segundo Bruno Carreira, as razões que levam os animais a estas mudanças alimentares não foram analisadas e poderão motivar nova investigação, caso os investigadores consigam “aceder a financiamento”, mas a alteração na dieta, em função da temperatura da água, é uma “nova descoberta” e “um padrão nunca antes descrito”.

“Com este estudo, estamos nas três ou quatro equipas mundiais que, entre 2015 e 2016, verificaram este efeito, em distintos animais de sangue frio, e somos a primeira no mundo a descobrir que isto ocorre em vertebrados”, congratulou-se.

O artigo do vencedor do Prémio Jovem Cientista do Ano 2016 está disponível aqui.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jovens

Nos desculpem, queridos millennials /premium

Ruth Manus

Millennials, nos desculpem. Tem uma parcela de culpa de todo mundo nisso. Dos pais, da escola, do mercado de trabalho, da indústria, das redes sociais. E, sim, temos coisas a aprender com vocês.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)