Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Quem disse que apenas existem fugas de informação no futebol português? Esqueça isso, acontece em todo o lado. E neste caso em específico, as possibilidades são limitadas: ou veio de uma pessoa, ou chegou da outra pessoa. A primeira pessoa, pessoa A, estava concentrada no estágio da seleção e recebeu uma SMS. A segunda pessoa, pessoa B, enviou essa SMS com 24 palavras. E entre A e B, nenhum C evitou a rutura.

Em termos abstratos, assim se explica a dispensa de Diego Costa do Chelsea, após ter sido o melhor marcador dos blues (quarto no total da liga inglesa) na conquista da Premier League em ano de estreia do italiano do treinador Antonio Conte. Ao longo da época, os arrufos entre ambos foram tão recorrentes como as promessas de união que iam divulgando, mas a verdade é que, nesta fase, nada fazia prever o fim abrupto da ligação com o avançado que começou em 2014.

https://www.youtube.com/watch?v=BaRLTivWWJQ

O brasileiro com nacionalidade espanhola, que nunca foi propriamente a pessoa mais calma, explodiu. Primeiro, em frente aos jornalistas. “O treinador não me quer lá. Não sei porquê, pensará que fiz uma má temporada. Mandou-me uma mensagem. Uma simples mensagem depois de tudo o que fiz. Vou procurar uma equipa. Se não contam comigo, há que sair”, disse após o particular com a Colômbia na zona mista. Mas não ficou por aí.

De acordo com os jornais ingleses, Diego Costa teria feito antes uma fotografia da mensagem, que enviou a várias pessoas e jogadores do Chelsea. Só faltava um pormenor, mas também não demorou: o teor da SMS ser divulgado. “Olá Diego, espero que estejas bem. Obrigado pela temporada que passámos juntos. Boa sorte para o próximo ano, mas não estás nos meus planos”, terá enviado Conte ao dianteiro, segundo o jornal As. E agora, o que se segue?

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

https://www.youtube.com/watch?v=9OUj5TX3S5A

Dando uma vista de olhos no que se tem escrito, existem cinco possibilidades em aberto para o avançado (pelo menos): o AC Milan, que procura a todo o custo uma referência atacante para reconstruir o plantel; o Atl. Madrid, de onde saiu e que fará na próxima temporada o primeiro ano no novo estádio (o que permitiria vender Griezmann); o PSG, que vai tentar reforçar (ainda mais o ataque); e o próprio Manchester United de José Mourinho, que estará privado (por lesão) de Zlatan Ibrahimovic nos próximos meses. A outra solução passaria por confirmar um namoro antigo que vem de vários clubes da Primeira Liga chinesa.