A Huawei tem-se destacado no mercado dos smartphones tendo conseguido chegar a terceiro lugar no que toca a números de vendas a nível mundial. Com a gama P10, a empresa chinesa deu um grande salto no campo da fotografia, tendo tornado esta área o principal destaque dos novos equipamentos.

O P10 Plus é o modelo de maiores dimensões e é, em todos os aspetos, o topo de gama mais recente da marca. No entanto, como já é habitual, foi lançado o P10 Lite, a versão mais modesta e de gama média que apresenta uma performance de topo a um custo mais reduzido.

Os dois equipamentos são bastante capazes e, apesar de as diferenças parecerem muitas, na utilização diária onde se notam mais é mesmo nas câmaras. Esta não é uma comparação entre os dois equipamentos mas sim uma análise a dois smartphones semelhantes no que toca a “ter o trabalho feito”, mas de gamas diferentes.

Características gerais

P10 Plus

Começando pelo topo, o P10 Plus vem equipado com tudo o que a Huawei tinha para oferecer. O corpo é feito de metal, o que lhe dá um toque agradável mas também o torna mais escorregadio, e o ecrã é de 5.5 polegadas Gorila Glass 5, um dos vidros mais resistentes do mercado. No interior podemos encontrar o Kirin 960, o processador topo de gama desenvolvido pela própria Huawei e que conta com um mecanismo de inteligência artificial, garantindo a rapidez constante do equipamento. No modelo de teste a RAM é de 6GB e a memória interna de 128GB (expansível por cartão microSD), sendo que estes valores diminuem na versão de 32GB de memória interna que tem “apenas” 4GB de RAM.

Como seria de esperar, a parte frontal quase não tem rebordo lateral, deixando mais espaço para o ecrã

Vem equipado com duas câmaras traseiras, uma a cores de 12 megapíxeis e outra monocromática de 20 megapíxeis, que contam com a certificação da Leica. À frente encontramos uma câmara de oito megapíxeis que, ao contrário do que era habitual até agora, passou a ter também o certificado Leica e oferece uma capacidade de recolha de luz duas vezes superior ao modelo anterior.

A bateria é de 3.750 mAh e a gestão de energia está otimizada de uma forma que satisfaz qualquer utilizador, do mais comum ao mais intensivo. O equipamento é vendido a 799.99 euros.

P10 Lite

Sendo a versão mais modesta, o P10 Lite está construido em vidro com as laterais metálicas e, apesar do material, não notámos uma grande presença de dedadas na traseira do equipamento. O ecrã é de 5.2 polegadas e, no interior, encontramos o Kirin 658 que, não sendo o mais recente consegue resultados bastante fluidos para um equipamento de gama média. A RAM do smartphone é de 4GB e a memória interna é de 32GB (expansível por cartão microSD).

O rebordo do ecrã é também reduzido no modelo Lite e a interface é igual à dos modelos P10 e P10 Plus

Na traseira encontramos apenas uma câmara, não certificada pela Leica, de 12 megapíxeis e uma frontal de oito megapíxeis. A bateria é de 3.000 mAh e a gestão de energia, tal como no Plus, está muito bem feita e garante um dia de utilização sem grandes problemas.

O P10 Lite é vendido a 349.99 euros.

Um dia com os P10

A experiência de utilização é semelhante nos dois equipamentos. Ambos conseguem correr qualquer aplicação sem grandes problemas mas, claro que o P10 Plus consegue safar-se melhor em jogos e aplicações que requerem um poder de processamento acima da média, garantindo uma experiência sem qualquer “engasgo”.

O Huawei P10 Plus conta com uma entrada USB-C, com a tecnologia de carregamento rápido e o sensor de impressões digitais está localizado na parte frontal

Os dois ecrãs conseguem cores bastante vibrantes e agradáveis apesar de não serem AMOLED. Quando expostos à luz solar direta, os dois smartphones não têm problemas em manter uma boa visibilidade.

O P10 Lite ficou-se pela entrada mais convencional, micro USB, e conta também com a tecnologia de carregamento rápido

No que toca à bateria, o aumento de capacidade no P10 Plus compensa largamente o aumento de ecrã, levando a que o smartphone se aguente um dia e meio sem ser carregado, enquanto o Lite tem uma autonomia, digamos, normal – um dia. Este fator vai sempre depender do tipo de utilização de cada um.

Redefinir as fotografias

A Huawei apostou todas as fichas na capacidade fotográfica do P10. Redefinir as fotografias modernas é o mote da empresa e, de facto, as câmaras do P10 Plus são qualquer coisa de muito bom. As cores são bem captadas, a resolução e os contrastes são excelentes e mesmo as fotografias noturnas conseguem ter resultados muito bons.

Duas câmaras, flash de dois tons e a inscrição Leica ocupam a parte superior da traseira do P10 Plus

O P10 Plus vem equipado com uma câmara RGB de 12 megapíxeis e uma monocromática de 20 megapíxeis que, em conjunto, criam um resultado com maior detalhe e com contrastes acima da média. Ambas as câmaras têm uma abertura f/1.8.

7 fotos

Já o modelo Lite perde um pouco desta qualidade a nível fotográfico. Com uma única câmara e sem o certificado Leica, é aqui que se nota mesmo que se trata de um equipamento de gama média. Não é que os resultados sejam maus, mas não é possível serem comparados com os outros dois modelos da gama P10 – inclusivamente, existem diferenças entre o P10 e o P10 Plus.

Uma só câmara, o flash normal e o leitor de impressões digitais ocupam a traseira do modelo Lite

A câmara do P10 Lite tem 12 megapíxeis e uma abertura f/2.2.

5 fotos

A escolha depende da utilização

No final de tudo, os dois equipamentos mostraram-se bastante capazes no que toca às tarefas diárias da grande maioria dos utilizadores. Claro que temos de ter sempre em conta que tudo abre e processa mais depressa no modelo Plus do que no Lite.

As câmaras fotográficas do P10 Plus são, sem dúvida alguma, o ponto forte do equipamento. A câmara monocromática produz resultados incríveis para um smartphone

De forma geral, o P10 Plus foi pensado ao pormenor para oferecer uma experiência de topo em qualquer tarefa. Desde jogos pesados à fotografia, não há nada que falhe neste smartphone. Até mesmo o aspeto do equipamento, apesar de ser algo que salta pouco à vista em comparação a outros topo de gama, consegue oferecer a elegância e qualidade que é esperada num equipamento deste valor.

O modelo Lite é mais modesto que o Plus mas igualmente capaz no que toca às tarefas diárias

Na versão Lite, as aplicações correm sem problemas e as dificuldades só surgiram em jogos mais exigentes, criando alguma dificuldade ao processador mais modesto que equipa o P10 Lite. A câmara é menos grandiosa mas consegue resultados muito agradáveis quando comparados com outros equipamentos de gama média, o que não deixa de mostrar o empenho da Huawei em querer destacar-se na fotografia.

Ambos os equipamentos correm a versão mais recente do sistema Android (Nougat). No final, uma questão importante na escolha (além das características e do aspeto) é que o modelo Plus vai, em teoria, receber atualizações por mais tempo do que o modelo Lite, devido às limitações do hardware.