Porto

Suspensão de voos no Porto no São João decorre de “perigo” face a “aumento exponencial” de balões

A decisão de suspender voos no Aeroporto do Porto na noite de São João foi tomada devido ao "aumento exponencial" de largada de balões, havendo "mais aeronaves sujeitas ao perigo".

RUI FARINHA/LUSA

A decisão de suspender voos no Aeroporto do Porto na noite de São João foi tomada devido ao “aumento exponencial” de largada de balões, havendo “mais aeronaves sujeitas ao perigo” do eventual impacto.

Na reunião que decorreu na passada segunda-feira, a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) defendeu que “a eventualidade do impacto de um balão, quer a sua absorção pelos motores de uma aeronave, poderá ser de elevado risco para a segurança das mesmas” e, por isso, “importa enfrentar a realidade associada à tradição da largada dos balões, analisar a possibilidade de controlar esta atividade e, caso tal não seja possível, adotar medidas que garantam a segurança das aeronaves”.

Um dos representantes da ANAC presentes “partilhou a sua experiência enquanto Comandante de A320 na Air Macau em que sofreu uma falha parcial de motor causada pela absorção de uma lanterna chinesa, idêntica às que habitualmente são largadas nas festividades de S. João”.

A resposta imediata “ao perigo” foi a suspensão da partida e aterragem de aviões entre as 21h45 do dia 23 e a 1h00 do dia 24 de junho, mas, em julho, o grupo voltará a reunir-se para identificar “outras medidas destinadas a garantir, no futuro, a operação segura das aeronaves sem recurso ao encerramento do espaço aéreo”.

De acordo com a ata da reunião, a que a Lusa teve acesso, a NAV Portugal – que controla o tráfego aéreo – também defendeu esta solução, argumentando que “hoje em dia a largada de balões constitui um perigo muito maior para a aviação do que há alguns anos”.

Os representantes da NAV Portugal, dos Serviços de Tráfego Aéreo da Torre de Controlo do Porto, defenderam que “há 15 anos a quantidade de balões era muito inferior porque eram artesanais e, em termos de tradição, apenas era largado um balão por família”, acrescentando que “na altura havia poucos movimentos de aeronaves e o impacto era nulo”.

“Hoje em dia existe um fenómeno global em que cada pessoa larga vários balões, devido à facilidade com que são adquiridos no mercado local e ao seu preço irrisório (menos de um euro), tendo ocasionado um aumento exponencial (milhares de balões) afetando todo o espaço aéreo na área do terminal do Porto; por outro lado, o número de movimentos é intenso (37 movimentos entre as 21:00 e as 24:00), pelo que havendo mais aeronaves sujeitas ao perigo, o risco de ocorrência de um incidente é maior”, advogaram os serviços de tráfego aéreo.

Na mesma reunião, o diretor do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, Fernando Vieira, defendeu que não era “desejável informar os operadores das aeronaves que não poderão operar no aeroporto no período identificado pela NAV Portugal, tendo em conta que toda a atividade já se encontra planeada”.

Aliás, a RENA – Associação das Companhias Aéreas em Portugal já criticou a “falta de planeamento da ANAC”, que, diz, tomou a decisão numa reunião “a meros 12 dias do evento, quando é referido na própria ata da reunião que os factos que levaram a esta decisão são conhecidos desde 2015 e 2016”.

Na mesma reunião, que reuniu a ANAC, a NAV, a ANA – Aeroportos de Portugal, as câmaras de Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Gaia, Vila do Conde e a Autoridade Nacional da Proteção Civil, a ANAC referiu as “ocorrências reportadas pelas aeronaves em anos anteriores”, considerando não ser possível “desvalorizar o risco existente e não atuar em conformidade sob pena de ser conivente com a repetição destas situações.

Mais, o regulador defendeu que “importa enfrentar a realidade associada à tradição da largada dos balões, analisar a possibilidade de controlar esta atividade e, caso tal não seja possível, adotar medidas que garantam a segurança das aeronaves, bem como, equacionar ações futuras que obviem a atual situação”.

O encerramento da operação irá afetar seis partidas e 18 chegadas, um total de 24 movimentos, mas a ANAC diligenciou “junto da Agência Portuguesa do Ambiente, a possibilidade de o aeroporto Francisco Sá Carneiro ser operado durante o período noturno pelas aeronaves impossibilitadas de operar no período de encerramento do espaço aéreo, a fim de mitigar o impacto nos operadores aéreos desta medida, permitindo a sua operação para além do número máximo de movimentos autorizados no período noturno”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

António Costa enganou-se

Bruno Bobone

Em nome de preconceitos ideológicos está a pôr-se em causa a qualidade e sustentabilidade do SNS, pois todos os hospitais PPP oferecem um serviço de qualidade, conforme comprovou o próprio Ministério.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)