Angola

Governador do Banco Nacional de Angola defende limitações na venda de divisas

O governador do Banco Nacional de Angola defendeu que o leilão de divisas ao sistema financeiro do país pelo banco central devia ser feito apenas em "situação de crise" e de "forma muito prudente".

De acordo com o governador do BNA, o sistema financeiro deve ser "um instrumento para a inclusão e para a justiça social"

BRUNO FONSECA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O governador do Banco Nacional de Angola defendeu, esta sexta-feira, que o leilão de divisas ao sistema financeiro do país pelo banco central devia ser feito apenas em “situação de crise” e de “forma muito prudente”.

A posição foi assumida por Valter Filipe no encerramento do VII Fórum Banca sobre Regulação e Supervisão Bancária, promovido pelo semanário angolano Expansão, tendo o gestor referido que quando Angola entrou para a economia de mercado deveria ter dado robustez e liquidez à banca inicial, conferindo melhor estabilidade e controlando o nível de preços e a taxa de inflação.

“Nós hoje, para criarmos melhor estabilidade, para controlarmos o nível geral de preços e a taxa de inflação, disponibilizamos pela via do banco central divisas para a banca comercial”, explicou.

Para o governador do banco central angolano, o país não pode continuar a disponibilizar divisas de forma regular, permanente e constante ao sistema financeiro, por via das suas reservas líquidas internacionais, por estar assim o Estado “a financiar de uma forma barata o sistema financeiro, as empresas e aquelas pessoas que têm acesso às divisas”.

Este mecanismo cria injustiça social, desequilíbrio social, faz com que tenhamos uma economia de importação, porque facilitamos os mecanismos de importação, facilitamos a estrutura de custo da importação e criamos uma economia vocacionada para a importação, é esse o contexto que hoje nós estamos”, frisou.

Valter Filipe salientou que uma economia vocacionada para a importação, cuja estrutura de custo é mais barata por essa via, define para o país “um modelo económico dependente das divisas e de um único recurso, e para a felicidade dos angolanos, era o preço do barril do petróleo”.

De acordo com o governador do BNA, o sistema financeiro deve ser “um instrumento para a inclusão, para a justiça social, para o combate à corrupção, ao favoritismo de uns e de outros”.

“Isto digo, porque em economia de mercado, se não existir crédito pessoal, se não existir crédito à habitação, se não existir crédito automóvel, se não existir crédito às pessoas, há corrupção”, enunciou.

“Esta é a lógica do capitalismo e se nós queremos prosperidade para todos temos que combater a injustiça social e o combate à injustiça social em economia de mercado faz-se pela via do sistema bancário, da negociação de crédito, da regulação, da supervisão, do combate ao branqueamento de capitais e financiamento ao terrorismo, pela via da boa gestão, da ética, de estarmos todos ao serviço do povo e da prosperidade das famílias”, acrescentou.

Para o governador, Angola tem que caminhar para uma política monetária e cambial focada na agricultura, na produção e competitividade nacionais.

“Por isso entendemos que do ponto de vista dos agregados monetários, dado que temos limitações do seu uso, devemos caminhar para uma maior flexibilidade dos agregados monetários, para definirmos e fazer uma melhor indicação da nossa política monetária”, disse.

Relativamente à política cambial, Valter Filipe defendeu que deve continuar a disponibilizar divisas para o mercado, “não de forma muito administrativa como está a ser feito – dando-se maior disponibilidade para o sistema bancário -, mas olhando para o plano de negócios e de crédito dos bancos comerciais”, com garantias de que a prioridade é o setor da agricultura.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O desrespeito como forma de governar /premium

André Abrantes Amaral

Costa desvaloriza os factos, desconsidera e desrespeita as pessoas porque dessa forma se desresponsabiliza. Tal é possível porque o PS estagnou, não só a economia, mas também a essência da democracia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)