Os partidos preveem gastar quase 35 milhões de euros na campanha para as autárquicas de outubro, com o PS a apresentar o orçamento mais elevado, cerca 15 milhões de euros, enquanto o PSD estima gastar cerca de nove milhões. De acordo com os orçamentos entregues pelos partidos e coligações eleitorais disponibilizados esta quinta-feira na página da Internet da Entidade das Contas e Financiamento dos Partidos, nos 287 municípios onde o PS concorre sozinho, os socialistas deverão gastar cerca de 14,76 milhões de euros.

Porto e Vila Nova de Gaia são as autarquias onde o PS apresenta um orçamento maior, com a candidatura socialista de Manuel Pizarro na Invicta a prever gastar cerca de 360 mil euros. Em Vila Nova de Gaia, o PS contabiliza despesas de cerca de 303 mil euros, enquanto para Lisboa estão orçamentados 249 mil euros.

Na Maia, concelho onde o PS se apresenta coligado com o Juntos pelo Povo, e no Funchal (ilha da Madeira) onde os socialistas se juntam ao BE, Juntos pelo Povo, Partido Democrático Republicano e Nós, Cidadãos!, os orçamentos apresentados são de 249 e 150 mil euros, respetivamente.

O PSD irá concorrer sozinho às eleições autárquicas de 1 de outubro em 190 municípios, prevendo gastar nestes concelhos cerca de 4,9 milhões de euros, com a maior ‘fatia’ reservada para a candidatura de Teresa Leal Coelho em Lisboa, com cerca de 179 mil euros. No entanto, devido às coligações em cerca de uma centena de municípios, as contas da campanha do PSD sobem para cerca de 8,8 milhões de euros, segundo números fornecidos pelo partido.

No Porto, os sociais-democratas irão às urnas com o PPM e a candidatura de Álvaro Almeida prevê despesas de 350 mil euros, menos dez mil do que o candidato do PS. Em Braga, o PSD junta-se a CDS-PP e PPM na recandidatura de Ricardo Rio, o orçamento de campanha é de 306 mil euros.