Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Fernando Pimenta conquistou a medalha de ouro em K1 5000 metros nos Mundiais de Canoagem que decorrem em Racice, na República Checa.

A vitória do atleta de Ponte de Lima acontece um dia depois depois de o canoísta português ter conquistado a medalha de prata na prova de K1 1000, depois de ter ficado a escassas 239 milésimos de segundos do alemão Tom Liebsche. Pimenta, que já é bicampeão da Europa nesta categoria, junta assim o título mundial ao palmarés.

Pimenta terminou a prova em 20:46.907, 3.352 segundos à frente do alemão Max Hoff e 13.921 segundos à frente do bielorrusso Aleh Yurenia.

Em declarações à RTP, o português não escondeu a emoção pela conquista do título. “É fantástico. É o meu primeiro título mundial numa prova mundial, logo a seguir a uma prata”.

“Não quero acreditar que consegui o título de campeão do Mundo. Hoje é dia de comemorar. Eu sei que os portugueses querem sempre medalhas, mas ninguém mais do que nós quer as medalhas”, acrescentou o atleta.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O canoísta lembrou os “mais de 200 dias” que passou fora de casa” como prova do sacrifício que é preciso para atingir um feito desta natureza. A terminar, Pimenta dedicou esta vitória “aos portugueses e aos soldados da paz” que combateram o fogo durante todo o verão.

Também em declarações à RTP, o presidente da Federação de Canoagem, Vitor Félix, aproveitou para deixar elogios a Fernando Pimenta, que classificou de “super atleta”.

Fernando Pimenta já tinha ganho outras duas medalhas em mundiais, além da prata de hoje e do bronze de 2015: prata em K2 500 metros com Emanuel Silva em 2010 (Poznan); prata em K4 1.000 metros com João Ribeiro, Emanuel Silva e David Fernandes em 2014 (Moscovo). O atleta de Ponte de Lima ganhou ainda um bronze no Campeonato do Mundo de Maratonas de Sub-23, em 2010, e uma prata (Sub-23) e um bronze (Seniores) nos Mundiais de Maratonas do ano seguinte. Ao todo, são já oito pódios em Mundiais em sete anos.

As lágrimas de Fernando Pimenta, que queria mais do que a prata em K1 1.000 nos Mundiais