São uma presença constante nas fotografias oficiais das visitas de Kim Jong Un aos complexos onde é fabricado o armamento nuclear da Coreia do Norte. E serão os cérebros por detrás do programa nuclear de Kim Jong Un. Ri Hong Sop e Hong Sung Mu, ambos na casa dos 70 anos, são os cientistas de topo do regime norte-coreano e a sua última aparição foi na famosa fotografia divulgada pela agência oficial horas antes do mais recente ensaio nuclear — o sexto realizado por Pyongyang — no último fim de semana.

Mas quem são, afinal, estes dois cientistas que estão a construir um poderoso arsenal nuclear e sobre quem tão pouco se sabe? Ri Hong Sop é o presidente do Instituto Norte-Coreano para as Armas Nucleares e Hong Sung Mu é o vice-presidente do departamento para a indústria do armamento do Partido dos Trabalhadores da Coreia.

De acordo com especialistas ouvidos pela agência Reuters, os dois cientistas fazem parte do núcleo duro do poder norte-coreano e têm como objetivo último o desenvolvimento de um míssil balístico intercontinental que seja capaz de transportar uma bomba nuclear até ao território dos Estados Unidos. “Ao que parece, Hong está a liderar o programa de desenvolvimento nuclear enquanto membro sénior do partido, enquanto Ri é responsável pelos testes nucleares, como o das bombas de hidrogénio, a nível prático“, revelou à Reuters Yang Moo-jin, professor da Universidade de Estudos Norte-Coreanos, em Seul.

Há mais detalhes sobre estes dois homens. Ri Hong Sop é o antigo diretor do Centro de Investigação Nuclear de Yongbyon, o principal complexo nuclear do país, e até chegou a encontrar-se com americanos, como é o caso de Siegfried Hecker, um professor de ciência nuclear em Stanford. Hecker visitou Yongbyon várias vezes entre 2004 e 2008 e recorda que Ri Hong Sop exibia “com orgulho” o reator de plutónio lá existente, construído sem ajuda externa.

Já Hong Sung Mu terá estudado na Europa e talvez na Rússia e também passou pelo centro nuclear de Yongbyon. Desde a década passada que Hong faz parte do departamento responsável pelo armamento no partido de Kim Jong Un e aos 75 anos é um dos homens mais próximos do líder do país.

A proximidade entre o líder supremo da Coreia do Norte e os cientistas responsáveis pelo armamento marca uma diferença no método de trabalho em relação ao seu pai, Kim Jong Il, e ao seu avô, Kim Il Sung, o fundador do país. Os dois líderes anteriores preferiam delegar as responsabilidades em matéria de armamento noutros membros do governo e criar grupos de trabalho dedicados ao assunto. Já Kim Jong Un é presença frequente nos laboratórios de desenvolvimento de armamento e tem supervisionado os processos pessoalmente.

Segundo um outro especialista ouvido pela Reuters, este envolvimento pessoal de Kim Jong Un na produção terá contribuído para o desenvolvimento mais rápido do armamento nos últimos anos.

Os cientistas têm-se tornado em duas das mais importantes personalidades do país, especialmente ao longo dos anos recentes, à medida que o arsenal nuclear da Coreia do Norte se tem desenvolvido a uma velocidade cada vez maior. Em janeiro de 2016, recorda a Reuters, os dois receberam medalhas de honra da parte do próprio Kim Jong Un, tendo sido os primeiros a receber as medalhas na cerimónia que assinalou o quarto teste nuclear do país.

Desde então, Ri Hong Sop e Hong Sung Mu têm aparecido ao lado de Kim Jong Un em todos os testes nucleares. O envolvimento na produção do arsenal norte-coreano já lhes valeu a inclusão na lista negra das Nações Unidas contra a proliferação de armas nucleares: Ri Hong Sop foi incluído em 2009 devido ao envolvimento “na produção de plutónio de nível de armamento”; Hong Sung Mu foi este ano associado à produção de armas nucleares e um dos especialistas da ONU pediu que o cientista fosse incluído na lista.