Empresas

Wired. Há 10 startups portuguesas entre as 100 mais sexy da Europa

1.673

Publicação tecnológica Wired distinguiu 10 empresas de Lisboa no ranking das "Europe's 100 Hottest Startups". No ano passado, Lisboa já tinha sido eleita uma das cidades mais sexy para startups.

A Uniplaces é uma plataforma de alojamento para estudantes universitários, que recebeu 22 milhões de euros em investimento em 2015

Marisa Cardoso/2016

A Wired voltou a colocar Lisboa e as startups portuguesas entre as mais sexy da Europa. A listagem anual das “Europe’s 100 Hottest Startups” inclui dez empresas de dez cidades: Berlim, Barcelona, Paris, Lisboa, Istambul, Estocolmo, Telavive, Amesterdão, Londres e Helsínquia.

Na capital portuguesa, a publicação que é uma das principais referências na área da tecnologia, ciência, design e negócios distinguiu a Attentive, Unbabel, Feedzai, Zaask, Misk, Landing.jobs, Uniplaces, Sword Health, Chic by Choice e Mellow. Outra startup também em destaque é a Codacy, fundada por Jaime Jorge e João Caxaria.

De acordo com a Wired, a crescente relevância da capital portuguesa no ecossistema de startups europeu deve-se, por exemplo, ao inglês fluente que se fala em Lisboa, onde 42% dos residentes fala duas línguas e 23% fala três. Além disso, 62% do investimento que é feito na cidade chega do exterior. Outros motivos referidos pela revista são o talento da mão de obra e o preço do metro quadrado dos escritórios, que a Wired considera económico.

Para Pedro Rocha Vieira, cofundador e presidente da Beta-i, considerada uma “incubadora chave” para a Wired, “é fantástico ver Lisboa marcar de novo presença num artigo duma revista tão prestigiada, o que significa que a cidade está cada vez mais, nas bocas do mundo pelo seu espírito empreendedor. A digitalização da economia tem permitido às startups revolucionar várias indústrias, e multiplicaram-se as incubadoras, aceleradores e espaços de cowork“.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Cidades

A cena do ódio

Helena Matos

Esse universo de rendas sociais, reguladas e acessíveis ocupa hoje o lugar que a Reforma Agrária desempenhou no século passado: a esquerda acredita que é aí que fará a sua sementeira de votos 

Futuro

Acessibilidade digital e valorização do interior

António Covas

Quando se fala do futuro próximo do interior é bom não esquecer que em 2030 a geração dos nativos digitais já terá pelo menos 30 anos e os ecossistemas digitais serão o quadro de atuação mais comum.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site