Rádio Observador

Casa Branca

Quem é Hope Hicks, a nova diretora de comunicação da Casa Branca?

Aos 28 anos, Hope Hicks assume o cargo de diretora de comunicação da Casa Branca. Discreta e reservada, a ex-modelo é a terceira pessoa a ocupar o cargo desde que Donald Trump chegou à presidência.

AFP/Getty Images

Hope Hicks já ocupava o cargo de diretora de comunicação interina da Casa Branca desde julho deste ano, após a saída repentina de Anthony Scaramucci, mas assume agora o cargo de forma permanente. Aos 28 anos, esta norte-americana do Connecticut e antiga aluna da Universidade Metodista do Sul, torna-se assim a terceira pessoa a ocupar o posto desde que Donald Trump foi eleito Presidente, seguindo-se a Mike Dubke e Scaramucci.

A informação foi inicialmente avançada pela Bloomberg e mais tarde confirmada pela própria, que atualizou a descrição na sua conta de Twitter, e foi anunciada juntamente com uma série de outras nomeações como a de Mercedes Schlapp (antiga colaboradora do canal de televisão Fox News) para o departamento de comunicação da Casa Branca.

De acordo com o “Politico”, terá sido a própria Hicks a insistir para que ocupasse primeiro as funções de forma interina, mas já seria claro dentro da Casa Branca que seria a jovem a ocupar o cargo de forma permanente — visível no facto de, à altura, Ivanka Trump a ter felicitado pela nomeação como “diretora de comunicação da Casa Branca”.

Uma funcionária leal e com pouco ego

Hope Hicks começou a trabalhar com a família Trump através da empresa de relações públicas Hiltzik Strategies, tratando da comunicação para alguns dos negócios de Ivanka Trump. Daí saltou para o cargo de diretora de comunicação da campanha do próprio Donald Trump em 2015. Antes disso, Hicks trabalhou durante algum tempo como modelo, tendo inclusivamente feito uma campanha para a Ralph Lauren. A política, contudo, parece correr no sangue da sua família: o seu pai, Paul Hicks, foi chefe de gabinete do congressista republicano Stewart McKinney.

“O meu pai exige às pessoas que ganhem a sua confiança e ela ganhou a confiança dele”, resumiu Ivanka Trump ao “New York Times” aquando da sua nomeação para a campanha. “Ela entende-o completamente”, acrescentou no mesmo artigo o antigo diretor de campanha de Trump, Paul Manafort.

“Acho que o facto de ser uma novata é muito mais enervante por si só do que o facto de ser um novata na campanha”, declarou a própria Hicks à altura. “Há tanta gente aqui que é nova nisto e que está a tentar perceber as coisas à medida que acontecem que pouco importa se se tem experiência ou não.”

Com mais ou menos experiência, certo é que Hicks parece ter conquistado a confiança de toda a família Trump. O “Politico” garante, por exemplo, que a diretora de comunicação já frequentou a casa de Ivanka Trump e do seu marido, Jared Kushner. A sua discrição é frequentemente apontada como um ponto positivo: “Ela não tem um ego que se intrometa no objetivo principal, que é a promoção do Presidente”, resume o antigo ocupante do cargo Mike Dubke.

“Ao contrário de outros, ela percebe o estilo de Trump”, resume Tara Mckelvey, correspondente da BBC na Casa Branca. “É provável que ela continue a trabalhar da mesma forma que tem feito desde a campanha. Mantendo-se longe dos holofotes e a tentar apenas ajudar os jornalistas com as questões logísticas.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)