Tem uma área total de 11.080 hectares — superior à área da cidade de Lisboa que tem 10.005 hectares –, distribuídos pela freguesias da Marinha Grande e de Vieira de Leiria, no concelho da Marinha Grande, no distrito de Leiria. Naquele que foi considerado pela adjunta de operações da Proteção Civil, Patrícia Gaspar, o “pior dia de incêndios do ano”, cerca de 80% do Pinhal de Leiria foi consumido pelas chamas: 8.864 hectares.

A estimativa veio do próprio presidente da Câmara Municipal da Marinha Grande, Paulo Vicente, que descreveu um “cenário devastador e dantesco” que se vive no concelho: “Cerca de 80% da manta verde do Pinhal de Leiria já ardeu”. Agora, o verde do Pinhal de Leiria transformou-se numa mancha negra. Ao longo dos vários quilómetros da estrada que liga Marinha Grande à Praia da Vieira, as nuvens de fumo ainda se mantêm.

[jwplatform 6XxQ2of8]

O autarca denunciou a falta de limpeza da Mata Nacional de Leiria, como já o tinha feito no início de agosto, principalmente junto às estradas florestais. O autarca explicou há dois meses que compete às câmaras fazerem a gestão do combustível [limpeza] numa faixa mínima de 10 metros, em ambos os lados das vias, nas estradas municipais, obrigação que passa para a Infraestruturas de Portugal, entidade que gere as Estradas Nacionais que atravessam o Pinhal de Leiria.

Esta não foi a primeira vez que o Pinhal de Leiria foi atingido pelas chamas. Em 1916, há 101 anos, 150 hectares da Mata Nacional arderam, na sequência de incêndios de grande dimensão que estavam a lavrar a região centro do país.

Há 101 anos, um grande incêndio consumiu o Pinhal de Leiria. Foi assim