O antigo primeiro-ministro do Paquistão Nawaz Sharif foi indiciado com acusações de corrupção extraídas do caso que ficou conhecido como Panama Papers, disse esta quinta-feira fonte do Tribunal de Contas local. Segundo a fonte, a mesma acusação recaiu também sobre a sua filha e genro.

Um dos advogados do antigo chefe de Governo paquistanês, atualmente em Londres, entregou já uma declaração ao tribunal, em que defende a inocência de Sharif, bem como a de Maryam Sharif (filha) e de Mohammad Sfadra (genro).

As acusações surgiram na sequência da análise de milhares de documentos ligados a uma empresa de advogados panamiana, em que os investigadores afirmam que a família de Sharif detém bens financeiros, acusações que a família nega, reafirmando que “nada de mal foi feito”. O futuro político de Sharif tem estado num impasse desde julho último, quando o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) paquistanês o considerou “inapto” para o exercício de funções políticas.