Japão

Shinzo Abe volta a vencer as eleições no Japão. Ao que tudo indica, com maioria absoluta

Os resultados oficiais só são conhecidos na manhã de segunda-feira, mas as sondagens dão mais de dois terços dos votos ao primeiro-ministro japonês. Vitória abre caminho para revisão constitucional.

Shinzo Abe venceu, com maioria absoluta, as eleições legislativas no Japão

AFP/Getty Images

Quarenta dias depois de se ter demitido e convocado eleições antecipadas, Shinzo Abe, 63 anos, volta a ser escolhido para o cargo de primeiro-ministro do Japão. Segundo as sondagens feitas à boca das urnas, o Partido Democrático Liberal (PDL), coligado com o partido Komeito, não só ganhou como ganhou com maioria absoluta. Os resultados oficiais só deverão ser conhecidos pela manhã de segunda-feira — o tufão Lan, que este domingo chegou à ilha principal do país, não só dificultou a ida às urnas como também está a complicar a recolha dos votos, diz o The Guardian.

Segundo a Bloomberg, que cita uma sondagem da NHK, a organização nacional de radiodifusão pública do Japão, a coligação encabeçada por Shinzu Abe, no poder desde 2012, deverá conseguir entre 281 e 336 assentos no Parlamento. Bastam 233 para ter maioria, com 310 já tem dois terços dos votos e maioria absoluta. O Partido da Esperança, fundado há apenas um mês por Yuriko Koike, governadora de Tóquio, deve conseguir entre 38 e 59 lugares; o Partido Democrático Constitucional (CDP), encabeçado por Yukio Edano, deverá alcançar entre 44 e 67.

Para já, no Japão e fora dele, já se fala numa “super maioria” por parte da coligação, o que, dizem os analistas, abre ainda mais a porta à revisão constitucional que o primeiro-ministro quer fazer — e que não tem sido muito bem recebida por alguns setores da sociedade japonesa. Proibido pela Constituição desde o final da Segunda Grande Guerra de ter Forças Armadas, o país poderá, caso a alteração do artigo 9 venha a ser efetivada, voltar a ter exército.

Neste sábado, antes das eleições, Shinzu Abe, aliado de Donald Trump na luta contra Pyongyang, fez referência ao assunto: “Numa altura em que a Coreia do Norte está a ameaçar-nos e a aumentar as tensões, não podemos hesitar. Nós não podemos ceder à ameaça da Coreia do Norte“.

Dias antes, consciente de que o assunto da revisão constitucional está a dividir o país, também já tinha assegurado que quer fazer as coisas com calma e que o plano inicial a que se tinha proposto — alterar a lei essencial do país até 2020 — já não está em cima da mesa: “Antes de mais, quero aprofundar o debate e ter o máximo possível de pessoas de acordo.”

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)