Operação Marquês

Granadeiro terá pago metade de um apartamento com 571 mil euros em dinheiro vivo e uma obra de arte

1.182

MP suspeita que Henrique Granadeiro comprou apartamento por 1,7 milhões de euros com alegadas "luvas" de Salgado, mas só declarou 850 mil euros. O restante foi pago com dinheiro vivo e arte.

Jorge Amaral

O Ministério Público suspeita que Henrique Granadeiro terá comprado um apartamento na zona das Amoreiras, no valor de 1,7 milhões de euros, com uma parte do dinheiro que lhe foi pago em alegadas “luvas” pelo ex-líder do GES, Ricardo Salgado. De acordo com a SIC, esta investigação partiu da Operação Marquês, mas está a ser investigada à parte. Os detalhes da aquisição — que foi o dobro do declarado ao fisco — são dignos de um policial.

Henrique Granadeiro só declarou metade da compra (850 mil euros) ao fisco, tendo pago o remanescente de duas formas: através de uma obra de arte comprada numa galeria em Londres, no valor de 280 mil euros, que serviu de sinal; e 571 mil euros em dinheiro vivo que terão sido pagos numa sala de um banco na Suíça. Segundo Francisco Fino, gestor do património de Granadeiro, teria sido o vendedor a exigir este método de pagamento.

A transação, segundo a SIC, foi feita a 27 de dezembro de 2012, numa sala do Banco Pictet, na Suíça. No local estava Francisco Fino, um representante do Pictet, um representante do dono do imóvel e um representante do BPI Suisse. Na sala estava uma máquina de contar notas que só terá parado após contar 571.670 euros. O dinheiro foi colocado num saco que foi entregue ao representante do BPI Suisse, banco onde o vendedor pediu que fosse depositado o dinheiro.

Os restantes 850 mil euros foram registados como valor da casa junto do fisco e do notário e pagos, através de uma transferência de uma conta da Granacer no BPI, para a conta do empresário do Porto, João Marques Pinto. O apartamento situa-se na Avenida D. João V, em Lisboa, próxima de outra casa da qual Granadeiro é proprietário.

No âmbito da Operação Marquês, os investigadores apuraram que Ricardo Salgado, através da empresa offshore Espírito Santo Entreprise, transferiu cerca 24 milhões de euros para as contas de Henrique Granadeiro. Desse valor, Granadeiro acabaria por devolver 4 milhões a Salgado, ficando com os restantes 20. Desses 20 milhões, uma parte, acredita o MP, terá sido branqueada com a compra deste apartamento. A confirmar-se que metade do valor foi pago por fora Henrique Granadeiro incorre, neste caso, na alegada prática de crimes de branqueamento de capitais e de fraude fiscal qualificada.

O caso do apartamento é uma das 15 certidões extraídas da Operação Marquês que foram reveladas em primeira mão pelo Observador. Granadeiro será igualmente investigado por suspeitas de branqueamento de capitais a propósito da compra e venda da Herdade do Vale do Rico Homem à ES Enterprises.

Artigo corrigido às 17h52m. O caso revelado pela SIC não é a 16.ª certidão da Operação Marquês. Faz parte de uma das certidões que foram extraídas contra Henrique Granadeiro.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)