Doçaria

Mostra de Doces Conventuais de Alcobaça reinventa pão-de-ló das monjas de Coz

626

A XIX Mostra Internacional de Doces e Licores Conventuais começa dia 23 no Mosteiro de Alcobaça. Uma pista de gelo e uma reinvenção do pão-de-ló são as principais novidades.

Cerca de 40 expositores vão mostrar a doçaria conventual das ordens de Cister, Santa Clara e São Bento

PAULO CUNHA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Uma pista de gelo e o lançamento do pão-de-ló de Coz são as principais novidades da XIX Mostra Internacional de Doces e Licores Conventuais que decorrerá no Mosteiro de Alcobaça entre os dias 23 e 26.

A antiga receita das monjas que ocuparam o Mosteiro de Santa Maria de Coz “vai ser recriada numa parceria entre a Casa do Pão de Ló de Alfeizerão e o projeto Coz’Art”, anunciou esta segunda-feira o presidente da Câmara de Alcobaça durante a apresentação da XIX Mostra Internacional de Doces e Licores Conventuais.

O pão-de-ló “reinventado” vai ser lançado no primeiro dia da mostra, data a partir da qual ficará disponível ao público no Centro de Bem Estar Social de Coz, na antiga Adega das Monjas e na Casa do Pão de Ló de Alfeizerão, uma das freguesias do concelho.

O lançamento do novo doce é uma das novidades da edição que, pela primeira vez, contará com “uma pista de gelo sintético, ambientalmente sustentável”, divulgou o autarca que aguarda a autorização da Direção Geral do Património Cultural (DGPC) para que aquele equipamento seja instalado junto à Ala Sul do Mosteiro de Alcobaça, onde decorrerá a mostra.

O evento, onde cerca de 40 expositores mostrarão doçaria conventual das ordens de Cister, Santa Clara e São Bento, ficará ainda marcado pelo regresso do Mosteiro de Santa Maria do Sobrado, um mosteiro cisterciense de fundação medieval localizado na Galiza.

Durante o certame serão ainda apresentados três livros em torno da culinária e doçaria e da história de Alcobaça.

Cornucópias (Alcobaça), Pão-de-Ló de Alfeizerão (Alcobaça), Pastéis de Santa Clara (Coimbra), Brisas do Liz (Leiria), Licor de Ginja (Alcobaça), Licor de Singeverga (Roriz — Santo Tirso), D. Rodrigo (Portimão), Pão de Rala (Alentejo), Trouxas do Mondego (Tentúgal), Pudim Abade de Priscos (Braga) e o famoso “Dulce de Leche” dos monges do Mosteiro do Sobrado são algumas das iguarias com que a autarquia estima atrair ao mosteiro “entre 30 mil a 50 mil visitantes”, adiantou Paulo Inácio.

A mostra, que nos dois últimos anos contou com o apoio de fundos comunitários para a realização de espetáculos de vídeo-mapping na fachada ou no interior do Mosteiro, viu este ano o orçamento reduzido para 100 mil euros, cerca de metade da verba dos anos anteriores.

A Doçaria Conventual em Alcobaça deve-se às tradições gastronómicas deixadas pelos monges de Cister que ali permaneceram por mais de sete séculos.

Os doces conventuais sempre estiveram presentes nas refeições que eram servidas nos conventos e os muito apreciados licores, destilados a partir de bagas e de várias plantas, eram inicialmente usados para fins medicinais.

A mostra é, segundo Ana Pagará, diretora do Mosteiro de Alcobaça, “um dos pontos altos em termos de visitação” do monumento eleito pela UNESCO Património da Humanidade e uma das Sete Maravilhas de Portugal.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)