Angola

Advogado confirma que Manuel Vicente ainda não foi constituído arguido na ‘Operação Fizz’

O advogado de Manuel Vicente adiantou que este ainda não foi constituído arguido na 'Operação Fizz', devido ao envio da carta rogatória pela justiça portuguesa.

O Presidente do Conselho Administração da Sonangol, Manuel Vicente, durante a conferência de imprensa na sede da Sonangol.

BRUNO FONSECA/LUSA

O advogado de Manuel Vicente considerou esta terça-feira que o recente envio pela justiça portuguesa de uma carta rogatória para o ex-vice-presidente angolano é “o reconhecimento” de que este ainda não foi constituído arguido na ‘Operação Fizz’.

O envio desta carta rogatória significa o reconhecimento pelo tribunal de que não teve ainda lugar a constituição como arguido do engenheiro Manuel Vicente e a atribuição do correspondente estatuto, como a defesa sempre sublinhou, nem os necessários atos processuais subsequentes”, declarou, por escrito, Rui Patrício à agência Lusa.

O advogado comentava a notícia de que o juiz do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa enviou uma carta rogatória às autoridades de Angola para que o ex-vice-presidente de Angola Manuel Vicente seja constituído arguido no processo ‘Operação Fizz’.

Questionado sobre uma eventual separação de processos na ‘Operação Fizz’, uma vez que Manuel Vicente ainda não foi notificado e o início do julgamento está marcado para janeiro, Rui Patrício salientou que a defesa já a suscitou mais do que uma vez e que “tomará posição quando a questão se colocar” na eventualidade de haver uma decisão nesse sentido.

No documento, a que a agência Lusa teve acesso, com a data de 7 de novembro, o juiz Alfredo Costa, do Tribunal da Comarca de Lisboa, solicita às autoridades angolanas que Manuel Vicente seja constituído arguido. O juiz solicita que seja notificado de “todo o conteúdo da acusação proferida nos autos”, explicando que dispõe de 20 dias contados a partir da data da notificação para requerer, caso assim o entenda, a abertura da instrução.

No documento, o juiz lembra que os autos assumem “natureza urgente pelo facto de o arguido Orlando Figueira [procurador acusado de ter sido corrompido] se encontrar em medida de coação privativa de liberdade desde 23 de fevereiro de 2016”.

No processo ‘Operação Fizz’, o antigo vice-presidente angolano é acusado de ter corrompido Orlando Figueira para que o procurador arquivasse dois inquéritos, um deles o caso Portmill, relacionado com a alegada aquisição de um imóvel de luxo no Estoril.

Em causa na ‘Operação Fizz’ estão alegados pagamentos de Manuel Vicente, num valor estimado de 760 mil euros, ao então magistrado do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) Orlando Figueira para obter decisões favoráveis.

A juíza de instrução Ana Cristina Carvalho confirmou os crimes constantes na acusação e decidiu mandar para julgamento Manuel Vicente por corrupção ativa em coautoria com Paulo Blanco e Armindo Pires, branqueamento de capitais em coautoria com Paulo Blanco, Armindo Pires e Orlando Figueira e falsificação de documento com os mesmos arguidos.

Orlando Figueira está pronunciado por corrupção passiva, branqueamento de capitais, violação de segredo de justiça e falsificação de documentos, enquanto o advogado Paulo Blanco é acusado por corrupção ativa em coautoria, branqueamento também em coautoria, violação de segredo de justiça e falsificação documento em coautoria.

O arguido Armindo Pires irá responder em julgamento por corrupção ativa em coautoria com Paulo Blanco e Manuel Vicente, branqueamento de capitais em coautoria com Manuel Vicente, Paulo Blanco e Orlando Figueira e falsificação de documento em coautoria com os mesmos.

A decisão da juíza foi contestada por Rui Patrício, advogado do ex-vice-presidente de Angola, que insiste que o seu cliente não está abrangido por esta decisão, dado que formalmente não foi notificado da acusação.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)