Operação Marquês

Ricardo Araújo Pereira responde a Fernanda Câncio: “Não é conhecida pela perspicácia”

6.721

Humorista escreveu sobre Miguel Abrantes, do blogue Câmara Corporativa. A jornalista Fernanda Câncio acha que lhe era feita uma crítica no texto. Araújo Pereira diz que Câncio "vê o que não existe".

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

Na sua conta pessoal de Twitter, a jornalista Fernanda Câncio publicou este sábado uma mensagem em que se confessava “um pouco saturada de cobardes, sonsos e caluniadores”. A mensagem tinha um destinatário confesso: Ricardo Araújo Pereira (RAP). O motivo? O mais recente artigo de opinião do humorista, na coluna “Boca do Inferno” que a revista Visão publica todas as quintas-feiras. Esta semana, RAP escreveu sobre Miguel Abrantes, pseudónimo em nome do qual eram publicados, no blogue Câmara Corporativa, textos abonatórios dos Governos de Sócrates e outros, críticos da oposição ao executivo socialista. A jornalista encontrou naquelas linhas uma referência implícita a si mesma. “Depois de ter passado anos a não ver o que parecia evidente, dedica-se agora a ver claramente o que não existe. É preciso ter azar”, diz Araújo Pereira ao Observador.

Entretanto, Fernanda Câncio já respondeu a Ricardo Araújo Pereira no Twitter:

As críticas de Câncio surgiram quase em simultâneo numa resposta a um comentário feito numa publicação de Bárbara Bulhosa no Facebook (FB) – em que a editora partilha precisamente a última crónica do colunista – e na sua conta Twitter. No FB, a jornalista começa por considerar que Araújo Pereira “podia ser homenzinho e ter a coragem de dizer de quem está a falar”, uma vez que, segundo a própria, “só houve uma pessoa que disse publicamente que o Miguel Abrantes existia e não era assessor do governo”.

A referência decorre de uma passagem da última crónica de Ricardo Araújo Pereira, em que o colunista recorda as teorias criadas à volta do blogue, câmara de ressonância da visão socrática dos anos de 2005-2011. RAP escreve o seguinte: “Os crentes diziam que Miguel Abrantes existia mesmo e era óbvio que mantinha um blog de apoio a José Sócrates por gosto, até porque a ideia de pagar a um blogger para elogiar o Governo era cómica”, ao passo que “os incréus diziam que não existia uma pessoa chamada Miguel Abrantes mas alguém que, escondido atrás desse nome, era pago para defender Sócrates e quem o criticasse”, concluindo que, “em certa medida, todos tinham razão”.

Fernanda Câncio sentiu-se pessoalmente visada nesta passagem:

Só houve uma pessoa que disse publicamente que o Miguel Abrantes existia e não era assessor do governo (…) e que era cómico achar que alguém podia pagar para se escrever um blogue: eu, em posts de 2008 e 2010 no Jugular”, escreve no extenso comentário.

E esclarece que “ao contrário do que o articulista convenientemente afirma, o que se dizia não era que se tratava de um pseudónimo de uma pessoa qualquer mas havia duas teorias: que se tratava de um assessor do governo e/ou de um grupo de pessoas, incluindo assessores do governo”.

A jornalista também considera que RAP a apresenta como “mentirosa” e acrescenta: “A triste (para o articulista) verdade é que aquilo que está em investigação no âmbito do processo marquês diz respeito a pagamentos efetuados a partir de 2012, portanto bastante depois dos posts que escrevi (…) com boa fé”. A rematar, Câncio ainda escreve o seguinte: “A verdade e o meu bom nome e já agora o meu sossego não têm importância alguma, porque é giro entrar na onda de imputar mentiras e semear suspeitas, na senda do Correio da Manhã e companhia. Muitos parabéns, Ricardo Araújo Pereira. Eu escrevo os nomes das pessoas que refiro”. Cinco minutos depois, publicava a mensagem no Twitter em que se referia a Araújo Pereira como fazendo parte de um grupo de “cobardes, sonsos e caluniadores”.

Ao Observador, Ricardo Araújo Pereira reage dizendo que a reação de Fernanda Câncio, “sendo de certo modo surpreendente, é, apesar de tudo, típica: para Fernanda Câncio, tudo é sobre Fernanda Câncio, e todas as ocasiões são boas para que ela nos recorde a sua impecável superioridade moral”.

O colunista considera, porém, que a jornalista “não consegue viver à altura dos seus elevados padrões”. E dá como exemplo dois textos (um visando o jornalista José António Cerejo e outro em que sai em defesa de José Sócrates), publicados no Diário de Notícias, jornal em que assina regularmente um artigo de opinião.

“No caso do meu texto, há uma boa razão para o nome de Fernanda Câncio não ser referido: é que eu não estava a falar dela, como me parece óbvio”, garante. E nota que não é “o primeiro” nem será o último a ser acusado por Fernanda Câncio” de falar sobre a Operação Marquês – que, entre outros factos, investiga alegados pagamentos do ex-primeiro-ministro a António Costa Peixoto (o verdadeiro personagem por detrás do pseudónimo ou, pelo menos, um dos autores que assinam com esse nome no blogue) – “com o único propósito de a amesquinhar”. A acusação soma 164 crimes e quase três dezenas de arguidos. “Mas, lendo Fernanda Câncio, percebemos que, na verdade, estamos perante uma pérfida cabala do Ministério Público para lhe dar cabo do sossego”, conclui Ricardo Araújo Pereira.

Leia aqui a resposta, na íntegra, de Ricardo Araújo Pereira ao Observador:

“Não creio que valha a pena fazer muito mais do que convidar os leitores a lerem o texto no qual terei cometido o duplo pecado de sujar o nome de Fernanda Câncio e de não mencionar o nome de Fernanda Câncio. A reacção que me enviou, sendo de certo modo surpreendente, é, apesar de tudo, típica: para Fernanda Câncio, tudo é sobre Fernanda Câncio, e todas as ocasiões são boas para que ela nos recorde a sua impecável superioridade moral. Desta vez, a virtude escolhida para nossa edificação é a coragem: ela “escreve os nomes das pessoas que refere”.

Quem não gostaria de ser como Fernanda Câncio? Toda a gente, suponho, incluindo Fernanda Câncio – que, infelizmente, não consegue viver à altura dos seus elevados padrões. De facto, não escrever os nomes das pessoas que refere é um procedimento habitual em Fernanda Câncio. Para dar apenas os dois exemplos que ficaram mais célebres, cito o texto “Promiscuidade e perversão”, no qual, sem nunca escrever o nome do jornalista do Público, critica violentamente José António Cerejo pelo modo como investigou o caso Freeport; e o pertinente aggiornamento do artigo de Zola, “J’accuse”, em que prefere omitir o nome do seu Dreyfus: um pobre injustiçado pelo sistema judicial, pela comunicação social, e muito provavelmente vítima de anti-semitismo, chamado José Sócrates.

No caso do meu texto, há uma boa razão para o nome de Fernanda Câncio não ser referido: é que eu não estava a falar dela, como me parece óbvio. Sucede que Fernanda Câncio não é conhecida pela perspicácia. Depois de ter passado anos a não ver o que parecia evidente, dedica-se agora a ver claramente o que não existe. É preciso ter azar. Não faço a mínima ideia se Fernanda Câncio foi a única pessoa a dizer publicamente que Miguel Abrantes existia e a considerar cómica a ideia de pagar a um blogger para dizer bem do governo, nem tenho presentes as datas em que considerava a ideia cómica e o momento em que passou a achá-la plausível, e muito menos o modo como essa oscilação de estados de alma se conjuga com o que vem referido na acusação. Não mencionei declarações públicas porque estava a referir-me àquela insignificante parte do mundo que decorre fora dos blogues e do twitter de Fernanda Câncio. Pelos vistos fui o único, mas desde 2005 assisti a muitas discussões inflamadas, vi amizades esfriarem ou até terminarem por causa de José Sócrates. O Capitão Roby, que partilha com o ex-primeiro-ministro alguns talentos, não foi tema de tantas conversas. Mas Sócrates, que foi eleito PM duas vezes, uma das quais com maioria absoluta, excitou ódios e paixões, e boa parte do país que não profere declarações públicas dividiu-se entre os que não podiam ou não queriam acreditar e os que viam motivos mais do que justificados para desconfiar. Infelizmente, Fernanda Câncio estava muito longe de ser a única a pensar como pensava. Muita gente fez figura de parva. Acontece. E, como calcula, eu sei, por experiência própria, quanto isso embaraça. Percebo que seja ainda mais doloroso nos casos em que a pessoa que faz figura de parva se notabiliza por fazer carreira a chamar parvos aos outros. Mas nem sempre que descrevo gente que se deixa enganar facilmente e defende o indefensável estou a falar especificamente de Fernanda Câncio. Há mais marias na terra.

Repare que não sou o primeiro nem hei-de ser o último a ser acusado por Fernanda Câncio de me pronunciar sobre este caso com o único propósito de a amesquinhar. Há quem diga que a Operação Marquês envolve um total de 164 crimes, praticados por 28 arguidos, entre os quais se incluem um ex-primeiro-ministro, o ex-presidente do maior banco privado português, e o antigo presidente executivo da maior empresa portuguesa. Mas, lendo Fernanda Câncio, percebemos que, na verdade, estamos perante uma pérfida cabala do Ministério Público para lhe dar cabo do sossego.”

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt
Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)