“Somos o partido social democrata, não somos a direita em Portugal”. Rui Rio apresentou as cinco linhas orientadoras da sua candidatura ao PSD, em Lisboa, esta quarta-feira à noite, repetindo esta linha ideológica no sentido de recentrar o partido, num discurso a uma sala cheia: “Não vamos para um liberalismo exagerado e nem para a estatização excessiva”, apontou. Quando elencou os líderes do partido que eram “sociais-democratas”, falou em Sá Carneiro, Pinto Balsemão (presente na sala) e Cavaco Silva. Mas não Pedro Passos Coelho nem Durão Barroso — cuja direção integrou.

Quando falou da reforma do Estado, uma constante há anos do seu discurso, proclamou: “Precisamos de um novo 25 de Abril”. O candidato à liderança do PSD diz que “o regime está doente e nem poderia ser de outra forma”. O raciocínio é a seguinte: o Estado Novo durou 41 anos e a Constituição de 1976 tem a mesma idade, portanto, precisa de ser alterada.

“O Estado Novo estava caduco e o poder caiu com um encontrãozinho. Não estamos assim, mas é impossível que este regime tenha vitalidade numa sociedade que mudou mais” de 1974 até hoje do que ao longo da ditadura. “Se não mudarmos, só por milagre é que temos as pessoas de braço dado com o regime”. A seguir, embora sem explicar o que pretende com a reforma do sistema político, nem no que essa reforma consiste, defendeu também “a reforma da justiça” — aquela que seria “a mais difícil” — e ainda “a reforma do Estado”, sobretudo na lógica “da forma como é gerido”.

As cinco linhas orientadoras de Rui Rio apresentadas numa sala de hotel que teve de ser expandida para sentar todos os militantes, foram as seguintes:

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

  1. Melhoria da competitividade do país;
  2. Necessidade de fazer reformas estruturais que há muito são necessárias e que não se têm conseguido fazer;
  3. Reforço da coesão social e uma classe média robusta;
  4. Olhar par o regime e revitalizá-lo;
  5. Ter um PSD forte porque Portugal tem um PSD fraco;

Os partidos medem-se pelo poder autárquico e não pelos deputados

Os que estavam de pé, sentaram-se só depois de Rui Rio começar a falar. Antes do candidato, tinha discursado Nuno Morais Sarmento, mandatário nacional, e Paulo Mota Pinto, presidente da Comissão de Honra — cuja lista de nomes foi lida ao microfone sem gerar qualquer tipo de entusiasmo (nenhum nome foi aplaudido). Com tanta afluência, teve de dar indicação para se abrir a parte de trás da sala para acomodar os mais de 300 militantes do partido que foram ao hotel, na Avenida da Liberdade, numa noite fria para ouvirem o candidato à sucessão de Pedro Passos Coelho.

As críticas começaram por ter implícita a liderança anterior, por não ter valorizado as eleições autárquicas. Rui Rio começaria por falar do PSD, alegando que “a implantação de um partido se mede pela implantação nas autarquias e não pelo número de deputados” — cuja quantidade é muito mais variável consoante os ciclos políticos. No entanto, apontou para a tendência acentuada de perda de influência autárquica do PSD: de 157 câmaras em 2009, passou para 98 autarquias em 2017. Pior do que isso, o partido “teve votações mais próximas do PCP do que do PSD”, nas maiores cidades, Lisboa e Porto. A responsabilidade, não o disse, foi da anterior direção, que nunca mereceu qualquer referência durante a intervenção.

O ex-presidente da câmara do Porto queria chegar a uma conclusão: a de que é necessário inverter a lógica de perda de influência eleitoral do PSD, para não se tornar num partido irrelevante, como aconteceu a vários partidos centrais em sistemas políticos de países como a Alemanha, Espanha, França ou Grécia (onde sobretudo os partidos socialistas deixaram de ser soluções de Governo), mas onde os franceses surgem como maior exemplo. “O PSD tem de perceber que se enquistou”, disse. “Não vale a pena ganhar eleições internas se não for depois para as ganhar fora”, argumentou, usando várias vezes esta ideia para se posicionar perante Santana Lopes (que também não referiu de forma direta).

Nesta fase da intervenção já tinha aproveitado a presença de Paulo Mota Pinto para recordar uma frase célebre que Carlos da Mota Pinto (pai), inscreveu na história do PSD, durante o PREC: “Hoje somos muitos, amanhã seremos milhões”. Mas Rui Rio quis reformular a ideia para dar a entender que o partido está numa tendência de quebra:

Hoje somos milhões, vamos lá a ver se amanhã não somos muitos”.

A história do alemão que gosta de crises para pôr as coisas em ordem

Rui Rio costuma contar a história de uma conversa que teve com o presidente de uma grande empresa alemã — muito provavelmente um diálogo em alemão, porque foi nessa língua que estudou — e que dá um tom muito germânico à filosofia política do candidato à liderança do PSD. “Gosto das coisas em ordem”, disse-lhe o gestor alemão. Rui Rio também. “Quando as coisas correm bem, deixamos as coisas desordenarem-se”, recordou que lhe disse o estrangeiro, contextualizando que o gestor usara estas palavras durante a crise portuguesa, pois olhava para as grandes crises como oportunidades para pôr as coisas em ordem. Os portugueses estavam, na sua opinião, cheios de sorte. Assim, o candidato concluía perante a assistência: “É também este o desafio que deixo. Vamos aproveitar estas dificuldades para fazer desta uma oportunidade para o partido ficar melhor do que está”.

Nos minutos anteriores, tinha avançado com algumas ideias para pôr as coisas em ordem, pelo menos do ponto de vista da competitividade da economia e no quadro da coesão social que defende.

“A competitividade é um objetivo, mas o défice não é um objetivo. A redução do endividamento não é um objetivo“. Os presentes começavam a ficar incrédulos, não fosse na frase seguinte Rui Rio esclarecê-los: não eram objetivos, mas sim instrumentos “para dar melhores condições de vida aos portugueses e conseguir um maior crescimento económico.” Apesar de parecer diferenciar-se da anterior direção pelo menos na retórica, diria o seguinte: “Não há nada que mudar na defesa de finanças públicas equilibradas”. E continuava:

A nossa felicidade não é atingida com défice zero ou quando o endividamento atinja 60% do PIB. O que pretendemos é crescer da forma contrária do que foi feito antes da troika e neste momento”.

Estava feita a crítica ao modelo de crescimento dos governos socialistas de José Sócrates e de António Costa, com outra proclamação não muito distante da linha que o partido tem seguido: “O Estado é determinante para criar o ambiente para empresas poderem investir e exportar. Este Governo tem a filosofia contrária à nossa: as políticas públicas têm de ser amigas do investimento e das empresas produtoras de bem transacionáveis”.

Quanto a reformas estruturais, repisou uma declaração mais política, para voltar a admitir que “quando partido sozinho não as consegue fazer, tem a obrigação de colaborar esteja no poder ou fora”. Não é um Bloco Central, mas a porta está aberta a acordos pontuais.

No que respeita ao ponto da coesão social, a base do argumento de Rio é a necessidade de haver “uma classe média robusta”, porque a existência de uma “classe média pequenina” não é própria dos países desenvolvidos. Depois de descrever a natalidade como um problema muito sério do país e de comparar os poucos nascimentos de 2017 com tantos em 1967, apontou para outro aspeto social: a “solidão” e o “sentimento de inutilidade seja em que idade for” que muita gente sente na sociedade — e que não terá sempre a ver com as condições económicas.

Embora não dissesse como é que este tipo de questões se resolvem Rio apontou para a necessidade de “tratar dessas pessoas quando perdem a vitalidade e ficam dependentes. Precisamos de infraestruturas que respondam a isto”. Mas não explicou que solução propunha. Só avançou com o universo abrangido por esta realidade: “Essas pessoas, quem são? Todos nós, um dia, todos nós”.

Morais Sarmento e Mota Pinto: PSD em busca da identidade perdida

Antes de Rui Rio intervir — e de passar um vídeo de promoção do candidato com imagens de bebé até à atualidade — falaram os principais apoiantes do ex-autarca. Nuno Morais Sarmento, mandatário nacional, lembrou uma viagem de comboio, nos anos 80, com Rui Rio, a prepararem uma moção a um congresso da JSD (que sairia derrotada). Paulo Mota Pinto, presidente da Comissão de Honra e menos revivalista que Sarmento, dramatizava sem dizer se era de Santana Lopes que estava a falar:

Pode estar em causa a sobrevivência do PSD como grande partido de Governo nas próximas eleições”.

Sarmento falava de um “sonho” para o país, do “personalismo” do PSD e do “respeito pela autonomia e escolhas de cada um”, assim como de uma “diferenciação baseada no mérito, no risco e na iniciativa”. Ou seja, as raízes do PSD. Mota Pinto diria que aquele “não é um partido da direita”, que também “não é liberal”, e que é “europeísta moderado”, sem precisar de “modelos estrangeiros”.

O ex-ministro da Presidência de Durão Barroso — e de Pedro Santana Lopes — chegou a usar uma frase que era muito repetida no início do passismo: “Não deixaremos ninguém para trás”. Sarmento acrescentava: “Deixar uma pessoa para trás é trair o mais sagrado dos nossos princípios, o primado em que mais acreditamos: a pessoa humana”. Crítica velada a Passos?

Para o futuro, Sarmento deixou pelo menos três desafios: uma aposta no mar, no mundo que fala português, e ainda na descentralização, desde que não tenha a ver com qualquer modelo de regionalização como o de há 20 anos. Para dentro e fora, em duas frases separadas ainda distribuiria críticas a Passos, a Santana e a António Costa:

Defendo um sonho e uma visão para Portugal, que ultrapasse o ‘vem aí o diabo’ e o chapa ganha chapa distribuída. (…) O Governo metade dos dias é um cata-vento e metade dos dias é um doente bipolar”.

Paulo Mota Pinto defendeu que “o PSD não pode perder a sua identidade” e estar consciente de que “os partidos políticos não são eternos”. Sinal disso, são os resultados autárquicos em Lisboa e no Porto que, na sua opinião, “não se podem repetir”. O antigo deputado e ex-juiz do Constitucional falou de um regresso ao Governo, mas nenhum dos intervenientes mencionou as palavras: “maioria absoluta”.