iPhone

Apple pede desculpa por não ter informado os consumidores

412

Depois de a Apple confirmar que reduz o desempenho dos iPhones mais antigos com atualizações de software, emitiu um comunicado a pedir desculpa aos utilizadores por não os ter informado.

O pedido de desculpas surge na mesma semana em que vários meios noticiam que as vendas do iPhone X no Natal ficaram aquém das expetativas da Apple.

MONICA DAVEY/EPA

Primeiro foi a divulgação de um estudo que demonstrava que a Apple reduz o desempenho dos iPhones mais antigos propositadamente. Depois surgiu a confirmação pela própria empresa, em que era dito que era devido a uma “funcionalidade”. A seguir foram os primeiros processos de consumidores que se sentiam enganados. Agora, a Apple pede oficialmente desculpa aos utilizadores, através da sua página oficial. “Sabemos que alguns de vocês sentem que a Apple vos desiludiu. Pedimos desculpa”, diz o comunicado dirigido aos clientes da empresa, reduzindo o preço de substituição da bateria em 50 dólares (42 euros).

No pedido de desculpa, apelidado de “Uma mensagem para os nossos clientes sobre a bateria e desempenho do iPhone”, a empresa alega que “nunca faria nada para intencionalmente reduzir o tempo de vida de qualquer produto Apple”. Dizendo que “têm existido vários mal-entendidos quanto a este assunto [quanto a tornarem os iPhones antigos mais lentos]”, a Apple divide o comunicado em quatro pontos: um quanto à explicação sobre como as baterias envelhecem, em que reencaminha os utilizadores para outra página do site oficial, onde explica a relação entre o desempenho de um iPhone e a bateria; uma explicação sobre o porquê de inserirem a funcionalidade para prevenir que o iPhone se “desligue inesperadamente”; o conhecimento de críticas recebidas por consumidores; e, o último ponto, quanto a como vai “reagir às preocupações dos clientes”.

É no último ponto que a Apple afirma que vai reduzir em 50 dólares (42 euros) o preço de substituição das baterias dos iPhones fora da garantia. De 79 dólares (cerca de 66 euros), passará, no final de janeiro, a 29 dólares (cerca de 25 euros). No comunicado é referido ainda, quanto à troca de baterias que “detalhes serão providenciados brevemente. O Observador tentou contactar a Apple sobre se os utilizadores de iPhones comprados em Portugal poderão usufruir do mesmo desconto e como o poderão fazer. Até ao momento da publicação deste artigo não foi obtida resposta.

O pedido de desculpas quanto à polémica surge após inúmeras críticas à forma como a Apple não foi transparente na forma de atuar ao utilizar atualizações para reduzir o desempenho sem informar os utilizadores e, após ter sido descoberta, ter relativizado a questão dizendo que tudo se tratava de uma “funcionalidade”.

A empresa, com o pedido de desculpas, assume mais uma vez que faz com que modelos de iPhones mais antigos — como o 6, o 6 Plus, o 6s, o 6s Plus e o SE — tenham o desempenho do processador reduzido, tornando-os mais lentos, para evitar que se desliguem em momentos em que os smartphones precisam de mais energia. Tudo é feito através de atualizações do sistema operativo, o iOS. Quanto mais antigo é o aparelho, mais é reduzido o desempenho do processador. A Apple afirma que o faz para prevenir que o telemóvel se “desligue inesperadamente” em picos de utilização de energia, um problema que foi reportado aquando a saída do iPhone 6 por vários consumidores.

E agora, Apple?

O pedido de desculpas feito pela Apple surge no mesmo dia em que Tim Cook, o presidente executivo da empresa, foi notícia por o conselho de administração o obrigar a voar em jatos privados e em 2017 ter feito ganho cerca de 10 milhões de euros, além de 75 milhões de euros em ações. Isto depois de, após o Natal, as ações da empresa terem descido cerca de 2,8% após as previsões de vendas do iPhone X terem sido revistas em baixa, de 50 milhões de unidades vendidas, para 30 milhões.

A descoberta que os iPhones ficam mais lentos propositadamente com atualizações de software — que são recomendadas pela empresa — e o facto de a Apple não ter avisado os consumidores que bastaria substituir a bateria para resolver o problema em vez de se ter de adquirir um equipamento novo, levou a uma das maiores crises de comunicação e perda de confiança dos consumidores da história da Apple. Com inúmeras críticas à forma como a empresa lidou com a situação, ainda é desconhecido quais as verdadeiras consequências, principalmente legais, que a empresa poderá enfrentar em 2018.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)