Rádio Observador

IURD

IURD. Mulher de bispo líder em Portugal confirma adoções ilegais

355

A mulher do bispo Romualdo confirmou o esquema de adoção ilegal denunciado pela reportagem "O Segredo dos Deuses" numa carta de 11 páginas divulgada pela TVI.

ANTONIO SILVA/LUSA

A mulher do líder máximo da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) em Portugal confirmou as adoções ilegais denunciadas na investigação “O Segredo dos Deuses”, emitida na TVI durante o mês de dezembro. A confissão de Márcia Barbosa Panceiro, mulher de Romualdo, bispo e um dos braços direitos de Edir Macedo, surge na forma de uma carta escrita, de 11 páginas, divulgada pela TVI.

“Fábio Miguel Tavares foi-me entregue no dia 8 de abril de 1997 para ser meu filho”, escreve Márcia Panceiro. Fábio, o mais novo de três, viveu até aos cinco anos longe dos irmãos.

Edir Macedo pediu à secretária pessoal, a portuguesa Alice Andrade, que se inscrevesse com um pedido de guarda para retirar as crianças do Lar da IURD. De acordo com as jornalistas, Vera, Luís e Fábio foram levados por Alice para os Estados Unidos e entregues em casa de Viviane. A filha do líder da IURD e o marido, o bispo Júlio Freitas, rejeitam Fábio e decidem ficar apenas com Vera e Luís. Ilegalmente, “enviam” Fábio para o Brasil, para que seja adotado por outro bispo — Romualdo.

Na sequência das informações que vieram a público, o Ministério Público abriu um inquérito sobre a alegada rede de adoções ilegais de crianças portuguesas ligadas à Igreja Universal do Reino de Deus (IURD). Já a IURD emitiu um comunicado onde afirma estar a ser vítima de uma “campanha difamatória, falsa”.

Num comunicado divulgado no Brasil, a igreja brasileira afirmou que a investigação realizada pelos repórteres da estação portuguesa de televisão TVI baseia-se no depoimento falso de um ex-bispo chamado Alfredo Paulo, que teria sido expulso da igreja por conduta imprópria.

Segundo os dez episódios da reportagem “O Segredo dos Deuses”, o esquema de tráfico de crianças portuguesas acontecia através de um lar para crianças que funcionou entre 1994 e 2001 de forma ilegal, acolhendo crianças entregues diretamente por famílias em dificuldades, sem passar pelos trâmites legais. Os menores acabavam depois no estrangeiro, adotados ilegalmente por bispos e pastores da IURD.

Entre os casos mais mediáticos estarão os netos do bispo Edir Macedo, que também serão oriundos desta rede de tráfico de menores. Os netos de Edir Macedo, milionário brasileiro e líder espiritual da IURD, terão sido roubados em Portugal num esquema de tráfico de menores que operou durante os anos 1990 a partir de um lar para crianças gerido por aquele movimento em Lisboa.

Muitas destas histórias só são conhecidas agora, 20 anos depois dos factos, porque apenas agora foi possível recolher testemunhos e documentação original de pessoas envolvidas nos casos (incluindo mães das crianças em questão) que se afastaram da IURD e divulgaram os esquemas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)