Estados Unidos da América

EUA. Funcionários de hospital abandonam paciente no meio da rua

1.566

Mulher foi deixada na rua, numa paragem de autocarro, só com uma bata de hospital vestida, numa noite em que as temperaturas desceram até aos -3ºC. Hospital lamentou falta de "humanidade e compaixão".

A filmagem divulgada pela Al Jazeera mostra os seguranças do hospital a deixarem a mulher numa paragem de autocarro

Vídeo Al Jazeera

Funcionários de um hospital na cidade de Baltimore, nos Estados Unidos da América, foram filmados a deixar uma paciente no meio da rua, durante a noite, à porta do hospital, apenas com uma bata de hospital vestida, numa noite em que as temperaturas desceram até aos -3ºC.

Na filmagem, divulgada pela Al-Jazeera, é possível ver os seguranças do hospital a transportarem a mulher numa cadeira de rodas, a deixá-la visivelmente desorientada junto à paragem de autocarro e a regressarem à unidade hospitalar.

O vídeo foi filmado por Imamu Baraka, um psicoterapeuta que vive e trabalha naquela cidade, e que àquela hora estava a deixar o seu consultório para regressar a casa. “Claramente parece haver alguns problemas mentais com este indivíduo”, diz Baraka para a câmara, enquanto se aproxima da mulher.

Baraka dirigiu-se aos seguranças para perguntar o que tinha acontecido ali. Responderam-lhe que a mulher já estava “medicamente tratada”.

O piscoterapeuta foi ter com a mulher e, apercebendo-se de que ela era incapaz de falar e estava com dificuldades respiratórias, telefonou para os serviços de emergência. Baraka ficou com a mulher até à chegada de uma ambulância, que acabou por transportá-la para a mesma clínica que a tinha abandonado pouco antes.

Quando eu estava a falar com o condutor da ambulância, apercebi-me de que isto é normal. Quando os pacientes são ‘indisciplinados’, são deixados na rua, para cuidar de si próprios”, explica Baraka.

Apesar de a lei norte-americana prever que os pacientes não podem ser abandonados enquanto precisarem de cuidados médicos, a Al Jazeera explica que o “despejo de pacientes” continua a ser um problema nos Estados Unidos.

Numa conferência de imprensa na sequência deste caso, a presidente do conselho de administração do hospital disse acreditar que foram prestados os “cuidados médicos adequados” à mulher. “Onde falhámos absolutamente foi na demonstração de humanidade básica e de compaixão”, lamentou.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)