O Presidente da República cabo-verdiano defendeu “ambição sem limites” em matérias de liberdade e democracia, reagindo esta quarta-feira à classificação, pela Freedom House, de Cabo Verde como “país livre” com melhor pontuação em África.

O relatório da organização não governamental Freedom House, divulgado esta quarta-feira, classifica Cabo Verde como “país livre” com uma pontuação de 90 em 100 pontos, a mais alta de todo o continente africano.

Seguem-se as ilhas Maurícias, Gana, Benim, São Tomé e Príncipe, Senegal, África do Sul, Tunísia, Namíbia e Botswana.

Jorge Carlos Fonseca, que falava aos jornalistas na cidade da Praia, considerou que a classificação é “uma boa notícia” embora não seja “uma surpresa”.

“O facto de haver repetições de notícias dessas só nos estimula a trabalharmos para sermos cada vez mais livres, mais democráticos e construirmos uma democracia cada vez mais consolidada. Nestas matérias de liberdade e democracia devemos ambicionar sem limites: sermos os melhores não apenas em termos africanos, mas os melhores”, disse.

Jorge Carlos Fonseca considerou que “há ainda muita coisa para fazer” e sublinhou a importância de em setores como a saúde, educação, justiça, bem-estar e progresso económico “também estar entre os melhores”.

O chefe de Estado disse ainda que os cabo-verdianos devem orgulhar-se e não “relativizar a ideia de ser um país livre e democrático”.

“É importante e decisivo porque sem liberdade dificilmente teremos o resto e com liberdade poderemos ambicionar a tudo”, acrescentou.