505kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Seleção mudou nome do grupo de WhatsApp para "Campeões Europeus" semanas antes

Este artigo tem mais de 4 anos

Seleção nacional de futsal foi recebida em Belém, onde Ricardinho disse perante Marcelo: "Começámos lá de baixo, hoje somos os senhores do futsal". Euforia começou na chegada ao aeroporto.

i

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Depois da seleção nacional de futebol e dos irmãos Sobral, o aeroporto de Lisboa voltou este domingo a ser o primeiro palco da festa dos novos heróis nacionais: a seleção nacional de futsal. Foi isso mesmo que pediu o capitão da seleção, Ricardinho, num apelo feito após a vitória através das redes sociais. Em mais uma final memorável para o desporto nacional, Portugal venceu Espanha (por 3-2, já após prolongamento) e trouxe o título europeu de futsal para Lisboa. Após sair do Aeroporto Humberto General Humberto Delgado, a seleção nacional de futsal seguiu para o Palácio de Belém, onde Ricardinho disse perante o Presidente da República: “O futsal conseguiu tocar o céu“.

Ao chegar ao aeroporto, o jogador Ricardinho trazia a taça na mão e não mais a largou. As primeiras palavras do capitão da seleção à receção foram: “Incrível, um momento lindo. Muito lindo ver as famílias, os filhos dos jogadores e das famílias“. E acrescentou: “Este troféu é para todos os portugueses.” Os jogadores deram depois abraços aos vários familiares que os aguardavam no aeroporto.

Ricardinho não conseguia esconder a felicidade e revelou que os jogadores estiveram “muitas saudades dos filhos” nestes dias. E manteve a fasquia elevada para o futuro: “Queremos estar lá mais vezes“. O capitão é perfeccionista e recusou-se a considerar a final “perfeita”: “Não foi perfeita porque não ganhámos a final dos 40 minutos”.

O capitão da seleção fala de um “ambiente fantástico” e diz que até se esquece da lesão. “Amanhã [penso nisso]. Hoje eu quero festejar. Seja só a saltar com um pé. Hoje não dói nada.” Sobre o facto de ir ter um pavilhão com o seu nome, no município de Gondomar, Ricardinho reiterou que a vitória não foi dele mas “dos 14 jogadores” e de “11 milhões de portugueses”:” Cada um destes jogadores deveria ter um pavilhão com o seu nome”.

Sobre o facto da selecção não ter jogadores naturalizados, Ricardinho não foi de meias medidas e deixou para trás o politicamente correto: “Já nos criticaram por não levar jogadores naturalizados, mas o que é português é bom”.

O jogador que marcou o golo decisivo, Bruno Coelho, também considerou a conquista “excelente”, confessou que tinha dito ao Ricardinho antes de marcar: “Fica descansado que eu faço“. O guarda-redes Bebé também confessou que “não esperava a receção” e definiu a conquista como “uma coisa do outro mundo”.

O selecionador nacional confessou à chegada que o “sonho” de ganhar o Europeu “não era um sonho, era um objetivo. Concretizável”. Sobre uma conquista do mundial, Jorge Brás desvalorizou ter renovado até 2020: “Isso é o menos importante. O que importa é continuar a qualificação do futsal”.

Os adeptos cantaram algumas vezes o hino nacional tanto enquanto esperavam pela equipa no aeroporto, como após a chegada da equipa. O habitual grito por “Portugal” também já foi entoado várias vezes. À chegada ouviram-se cânticos de “Campeões, campeões” e uma das músicas cantadas pela seleção nacional na noite de sábado: “Pouco importa, pouco importa/ Se jogamos bem ou mal/ Queremos é levar a taça/ Para o nosso Portugal!”

https://twitter.com/ritapcipriano/status/962683365223796736

O “doentio” Ricardinho disse ao Presidente: “Futsal conseguiu tocar o Céu”

Os jogadores seguiram para o Palácio de Belém, onde o capitão da seleção, Ricardinho foi o primeiro a falar. Ricardinho começou por dizer que é “somente a cara deste grupo de trabalho que partiu de Rio Maior para a Eslovénia para fazer história”. Ricardinho congratulou-se por ter tornado o “sonho” em “realidade” e afirmou: “Futsal conseguiu tocar o céu. Futsal também é desporto. Começámos lá de baixo, hoje somos os senhores do futsal, somos um exemplo e estamos eternamente agradecidos. Temos orgulho em ser portugueses”.

Marcelo Rebelo de Sousa: vitória da seleção de futsal faz bem à “auto-estima nacional”

Marcelo Rebelo de Sousa — que falou depois do ministro da Educação (que confessou ter jogado futsal no “desporto escolar) e de Ferro Rodrigues — começou por dizer: “Quero dar-vos um abraço de reconhecimento, admiração e gratidão. A segunda palavra resulta daquilo que pensei esta noite depois de termos vibrado. Tendo ouvido o que foram dizendo jogo após a jogo, o que estava na base deste sucesso? Vocês sonharam com esta vitória, o Ricardinho até era doentio, ‘tem de ser, tem de ser’, até contagiava Portugal.”

Marcelo destacou ainda a “união” e a “humildade” equipa, explicando que humildade “não é a falta de capacidade de sonhar. Humildade siginfica ganhar cada jogo com consistência. Cada novo jogo era um recomeço”. E depois continuou Marcelo, “houve rigor no trabalho. O Mundo está cheio de génios e talentos que não chegaram a sítio nenhum por falta de rigor no trabalho. No vosso caso existiu muito trabalho competente”.  Marcelo terminou o discurso com uma palavra de agradecimento: “É bom estar perante os melhores dos melhores. Vocês são os melhores dos melhores e daí a nossa gratidão. Mandei uma mensagem ao vosso presidente a dizer que vocês são geniais.

O SMS de setembro e o WhatsApp: “Mister, vamos ser campeões”

Após Belém, a seleção seguiu para a Cidade do Futebol da Federação Portuguesa de Futebol, em Cascais. No caminho, nas rotundas e algumas das estradas de acesso, foram sendo vários os adeptos que aplaudiram os jogadores portugueses. Num palco montado na Cidade do Futebol ouviu-se nas colunas o “Tu Também”, dos Xutos &Pontapés: “Há dez mil anos atrás/A areia da praia/Já cá estava”.

Na cidade do futebol, o treinador Jorge Brás voltou a falar antes do grupo, contando que logo no dia do sorteio para o campeonato da Europa, no final de setembro, recebeu um SMS do jogador que marcou o golo decisivo na final, Bruno Coelho, a dizer: “Mister, vamos ser campeões”. O capitão Ricardinho, para demonstrar que foram vários os sinais de confiança do grupo, confessou que ainda durante o estágio, em Rio Maior, os jogadores da seleção mudaram o nome do grupo de WhatsApp em que todos participam para “Campeões Europeus”.

Vários jogadores falaram à imprensa. Bruno Coelho lembrou que “estava destinado”, João Matos disse que “não é descabido sonhar também com o campeonato mundial” e Pedro Cary disse que a “amizade, união” e  “compromisso” que permitiu alcançar “o melhor” do grupo.

Foi igual ao Europeu de futebol. Igual, igual. Mas com um Éder ainda mais herói (a crónica do Europeu de futsal)

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.