Rádio Observador

Óbidos

Festival de Óbidos alerta para alterações climáticas com esculturas de chocolate reciclado

As alterações climáticas são o tema do Festival Internacional de Chocolate que começa em Óbidos no dia 23 de fevereiro. Todas as esculturas são feitas de chocolate reciclado.

CARLOS BARROSO/LUSA

As alterações climáticas são o mote do Festival Internacional de Chocolate que abre portas em Óbidos no dia 23, para uma edição que, até 18 de março, pretende sensibilizar os visitantes para a proteção do planeta.

“Depois do que aconteceu este ano em Portugal, com os incêndios, a sociedade, de um modo geral, tem que se consciencializar da necessidade de mudar de atitude e entendemos que estes eventos são a oportunidade de alertar para a nossa obrigação coletiva”, disse à Lusa o presidente da Câmara de Óbidos, Humberto Marques.

Daí que a XVI edição do evento, que vai decorrer entre 23 de fevereiro e 18 de março, adote este ano o tema “Alterações climáticas” e seja marcada por “uma visão mais centrada na política ambiental e no objetivo de tornar todos os eventos que se realizam em Óbidos mais amigos do ambiente”, frisou o autarca.

Exemplo disso é o facto de, pela primeira vez, as grandes esculturas de chocolate que integram uma das exposições mais procuradas do certame, serem este ano “feitas com chocolate reciclado, usando as esculturas do ano anterior”.

Ou seja, explicou Humberto Marques, “das duas toneladas de chocolate que são usadas anualmente para as esculturas, 80% são recuperados para as novas esculturas”.

As dez esculturas que integram a exposição, e que estão a ser feitas pelo chef chocolatier Abner Ivan, pretendem ainda alertar para a relação causa-efeito do impacto do comportamento humano no Planeta, sendo o chocolate, segundo a organização, convertido “em 10 símbolos, que pretendem levar o visitante a refletir e a dar o primeiro passo neste caminho de mudança”.

O Panda, símbolo do WWF (World Wildlife Fund), espécie vulnerável devido à perda severa de biodiversidade ou o Urso Polar, cuja vulnerabilidade está relacionada com as repercussões do aumento da temperatura no seu habitat natural, são alguns dos exemplos patentes na exposição.

O público encontrará ainda, na galeria do Pelourinho, um espaço dedicado em exclusivo às alterações climáticas, onde marcam presença parceiros de outros países e onde poderá participar em ateliers de reciclagem ou visitar uma exposição de esculturas construídas com lixo marinho recolhido nas praias.

E para que “a mensagem chegue ao maior número de pessoas”, e sobretudo, segundo Humberto Marques, “à geração que tem realmente que fazer esta mudança”, a organização alargou este ano as entradas gratuitas a crianças até aos 11 anos, ao contrário das edições anteriores, em que as crianças passavam a pagar entrada aos sete anos.

Aberto de sexta-feira a domingo, em quatro fins de semana consecutivos, na Cerca do Castelo, o festival desafia as famílias a experimentar cozinha molecular, a assistir a oficinas de culinária no palco showcooking e assistir ao lançamento de novos produtos ou à construção e esculturas ao vivo, entre muitas outras atividades.

O Festival Internacional de Chocolate de Óbidos tem este ano um orçamento de 200 mil euros e mantém as entradas em 6,50 euros, mas, até domingo, está a decorrer uma campanha de venda antecipada de bilhetes, online, com um desconto de 30%.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Segurança Social

A dívida implícita de Portugal

José Marques

Nos últimos 40 anos, período no qual se deu a maioria da acumulação desta dívida implícita, houve uma acumulação média, silenciosa, de dívida equivalente a mais de 10% do PIB por ano.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)