Poluição

Merkel espera cumprir metas sobre carros a diesel muito em breve

A chanceler alemã disse esperar que se comecem a sentir em breve os efeitos das medidas para reduzir a poluição atmosférica nas cidades alemãs.

MARKUS HEINE/EPA

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse esta terça-feira esperar que se comecem a sentir em breve os efeitos das medidas para reduzir a poluição atmosférica nas cidades alemãs. A líder alemã reagia assim à decisão anunciada esta terça-feira pelo Tribunal Superior Administrativo de Leipzig, que considerou ser legal que uma cidade proíba a circulação de veículos com motores movidos a gasóleo (diesel) especialmente poluentes para combater a poluição atmosférica, sem necessidade de uma lei nacional.

A sentença do Tribunal Superior Administrativo de Leipzig sobre o recurso de dois estados era esperada na Alemanha com grande expectativa devido à norma europeia de aplicar a proibição de circulação de alguns carros a diesel em cidades que ultrapassem limites máximos de dióxido de nitrogénio (NO2).

Merkel disse que o Governo vai examinar o veredicto e reunir-se com as autarquias para debater as medidas a tomar, mas acrescentou que muitas cidades excedem apenas ligeiramente o limite permitido e, por isso, mostrou-se esperançada em “cumprir os limites muito em breve”. Na reação à sentença, Merkel insistiu que a decisão não vai afetar todos os proprietários de veículos movidos a gasóleo no país.

O caso analisado pelo tribunal refere-se a saber se cidades como Estugarda e Dusseldorf tinham base legal para proibir a circulação em determinadas zonas urbanas nos seus planos de luta contra a poluição, o que foi questionado por governos regionais.

Perante solicitações da organização ecologista Deutsche Umwelthilfe (DUH), tribunais das duas cidades instaram os respetivos governos regionais a alterar os seus planos de combate à poluição para que não fossem ultrapassados os níveis máximos de NO2.

Os tribunais tinham ainda considerado que a exclusão de determinados veículos a diesel poderia ser una medida válida, o que motivou um recurso por parte dos governos de Baden Württemberg e Renânia do Norte -Vestefália. O Tribunal Superior decidiu esta terça-feira que a medida é legal e que não precisa de regulação a nível federal para ser aplicada pelas cidades de um dos países mais poderosos a nível de fabrico automóvel.

A decisão judicial prevê períodos de transição para a introdução de proibições dos veículos, com a agência de notícias alemã DPA a informar que qualquer proibição em Estugarda, o ‘lar’ do fabricante Daimler (da Mercedes), não entrará em vigor até, pelo menos, setembro. O texto refere ainda que os condutores não serão compensados pelas proibições de usarem os seus automóveis.

Este segmento de veículos já tinha sofrido um duro golpe com o denominado ‘dieselgate’ quando foi divulgado, há três anos, que o grupo Volkswagen usava um ‘software’ para manipular os testes de emissões poluentes nos Estados Unidos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)