Forças Armadas

Tancos. Marcelo quer que investigação “vá mais longe e fundo”

167

Na tomada de posse do novo chefe das Forças Armadas, o Presidente reconhece que foi possível apurar omissões, erros e insuficiências em Tancos. Mas ainda não se descobriu quem entrou nos paióis.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Foi uma espécie de elogio com sabor a crítica. Na tomada de posse do novo Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, Marcelo Rebelo de Sousa disse que o “apuramento interno” de  alguns “casos” vividos no seio das Forças Armadas permitiu “identificar omissões, insuficiências ou erros estruturais” e definir mudanças. Mas, ao mesmo tempo, “não permitiu identificar cabalmente quem e como agiu” em casos como os de Tancos. E, por isso, Marcelo espera que os responsáveis pela investigação não desistam de ir “mais longe e fundo” para apurar responsabilidades.

Numa intervenção de menos de dez minutos, no Palácio de Belém, Marcelo guardou para a segunda parte a referência a um dos casos mais sensíveis que as Forças Armadas têm vivido — e, neste caso concreto, o Exército. O Chefe de Estado nunca mencionou o furto de armamento militar dos Paióis Nacionais de Tancos, em junho do ano passado, e em relação ao qual, nesse momento, exigiu que se apurasse “tudo de alto a baixo, até ao fim, doa a quem doer”. Na residência oficial, esta quinta-feira, Marcelo optou por dizer que “o tempo necessário” para “apuramento de factos e responsabilidades” foi “sempre longo demais para a imagem e, mais do que ela, o legítimo amor próprio das Forças Armadas”.

Apesar de ter sido possível apurar as tais insuficiências, erros, omissões — naquilo que pode ser interpretado como uma palavra de congratulação à investigação interna do Exército, que aplicou penas disciplinares a militares —, não foi possível “identificar cabalmente quem e como agiu, bem como eventual nexo de causalidade com o ulterior reconstituição da situação de facto originária”.

Oito meses depois do furto, e quatro meses e meio depois de as armas terem sido encontradas, Marcelo passa a pressão (e a responsabilidade) para o Ministério Público e a Polícia Judiciária. A não descoberta de responsáveis pelo furto, até ao momento, “não nos deve desistir de esperar que se vá mais longe e fundo” na investigação. “Até porque”, sublinhou o Presidente da República, “a instância de investigação especializada a si chamou a matéria desde o primeiro momento e, certamente, da sua colaboração com a instituição militar resultará a luz que a todos importa”.

Novo chefe militar terá “tempos árduos”, avisa Marcelo

Marcelo deu esta posse ao novo Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA), almirante Silva Ribeiro, que substitui o general Pina Monteiro nas funções. Na intervenção, o Presidente da República disse que as Forças Armadas portuguesas são “são um fator de coesão social, territorial e intergeracional”, além de um exemplo de “devoção comunitária, garantia da nossa individualidade no concerto das nações, de inspiração no presente e para o futuro”.

O chefe de Estado sublinhou o “inevitável empenho conjunto dos órgãos de soberania, e em particular do governo que detém o poder executivo”, em “sintonia” com Belém, naquilo que é a “reflexão sobre a programação militar, no reforço de capacidades nos vários ramos, no avanço para o cumprimento das metas internacionalmente assumidas quanto à percentagem do PIB alojado à Defesa Nacional e à relevância nela do investimento quer em equipamento quer em investimento cientifico e tecnológico”. Uma referência particularmente relevante pouco tempo depois de o Ministério da Defesa Nacional dar o passo definitivo para integrar o novo projeto de cooperação europeu na área da Defesa, a Cooperação Estruturada Permanente. E também em vésperas de de iniciar a revisão da Lei de Programação Militar.

Marcelo mostrou preocupação com a garantia de “condições estatutárias” aos militares e com o recrutamento para as Forças Armadas. “Estamos todos bem atentos à necessidade de acentuar tudo o que reforce o prestígio e unidade das Forças Armadas” e de repelir os factores que tenham o efeito contrário.

Ao novo CEMGFA, o Presidente da República disse que “o tempo que o espera é árduo, muito a fazer em horizonte acelerado”. Mas também realçou a “capacidade de liderança”, a “argúcia estratégica”, a “perspicácia na análise” e a “firmeza de decisão” do até agora Chefe do Estado-Maior da Armada (CEMA). Marcelo deu também posse ao novo CEMA, o almirante António Mendes Calado.

O almirante Silva Ribeiro disse que chegava às novas funções “animado de um estado de espírito muito positivo”. Prometeu trabalhar para reforçar a”dignidade” das Forças Armadas e garantiu estar pronto para as “exigentes mas aliciantes tarefas” que terá pela frente.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)