Moscovo não irá prestar esclarecimentos através do seu embaixador em Londres sobre o envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal, como tinha sido pedido pela primeira-ministra britânica Theresa May, até à meia-noite desta terça-feira. A informação foi dada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, que reforçou as declarações inicialmente prestadas pelo Kremlin, rejeitando responsabilidades na morte de Skripal.

“A Rússia não é responsável”, declarou Lavrov numa conferência de imprensa. “A Rússia está disposta a cooperar [com a investigação] de acordo com a convenção para banir as armas químicas se o Reino Unido se dignar a cumprir as suas obrigações sob essa mesma convenção.” Lavrov explicou que Moscovo exige receber amostras do agente nervoso utilizado para envenenar Skripal e a sua filha, conta o Guardian, e garante que só assim irá colaborar com a investigação.

Já depois da conferência de Lavrov, o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo confirmou que o Kremlin também convocou o embaixador britânico em Moscovo, Laurie Bristow. A embaixada confirmou ao Guardian que Bristow irá falar com o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Vladimir Titov.

A reação do Kremlin surge depois do discurso de Theresa May no Parlamento britânico esta segunda-feira, onde afirmou ser “altamente provável” que o Governo russo esteja por detrás do envenenamento de Skripal.

Theresa May diz que é “altamente provável” que a Rússia tenha envenenado ex-espião russo