Rádio Observador

100% português

Latitid x Pureza Mello Breyner. Noivas a banhos, porque não?

111

O que é que uma marca de swimwear e uma designer de vestidos de noiva andaram a tramar juntas? Um fato de banho nupcial, claro. Conversámos com as criadoras sobre vestir branco para ir a banhos.

A marca portuguesa de swimwear juntou-se a Pureza Mello Breyner para desenhar um fato de banho de noiva. O mais surpreendente é que a dita peça não tem renda nem tule.

Joel Bessa

Vestidos de noiva, um mundo tão complexo que, por vezes, nem quem os faz consegue perceber muito bem as tendências, caprichos e reviravoltas que atingem o mercado. No caso de Inês Fonseca, uma das fundadoras da Latitid, a lição do último verão foi bastante clara. Na coleção, havia um um fato de banho branco — cortado na cintura, com alças cruzadas nas costas e um nó singelo no decote –, cujo desenho simples encaixava perfeitamente na esquadria da marca portuguesa, lançada em 2013. Foi o delírio de todas as moças que estavam à beira do altar. Resultado: o dito fato de banho saiu que nem pão quente, quase sempre oferecido por amigas, mães e madrinhas, sem que nunca tivesse passado pela cabeça de ninguém que o modelo Amalfi (era assim que se chamava) pudesse ser um fato de banho para noivas.

“As noivas estão a exigir”, afirma Inês. E todos sabemos bem o poder que uma bridezilla tem, que o diga Pureza Mello Breyner, há 11 anos a desenhar vestidos para o grande dia. “Hoje, elas querem um antes, um durante e um depois. Um segundo vestido para depois da cerimónia, algo para usar numa festa no dia anterior, para o brunch do dia seguinte e até para a despedida de solteira”, explica. A designer pôs a experiência em rendas, sedas e tule ao serviço do swimwear. “Foi a primeira pessoa a fazer-me um vestido para levar a um casamento, em 2008, e depois disso fez-me mais três”, conta Inês. Já Pureza, parece que apanha sol com um Latitid desde o primeiro verão.

“Queria que este fato de banho tivesse um bocadinho de mim. As costas são especiais, tal como gosto que sejam as dos meus vestidos, e a cintura bem marcada pelo cinto remete para as faixas em chiffon“, explica Pureza. Além da cor — branco, obviamente –, o tecido também não foi deixado ao acaso. A malha piquet faz lembrar as texturas dos vestidos, ao mesmo tempo que a introdução de uma caixa de peito torna este fato de banho muito mais versátil do que o modelo do ano passado, no que toca à idades e corpos. Custa 125€.

O kaftan e um pormenor das costas do fato de banho Latitid x Pureza Mello Breyner © Joel Bessa

A certa altura as duas acharam que só o fato de banho era pouco. E que tal ter uma peça extra, não para aquecer, mas para dar aquele toque de classe que fica sempre bem à beira da piscina. Veio o kaftan em renda de algodão, vestimenta fresquinha e assinada pela dupla. Custa 85€. Esta foi, muito provavelmente, a última vez que a Latitid e o atelier de Pureza Mello Breyner desenharam apenas duas peças. É que as noivas estão tão determinadas a ir a banhos, que já pairam novas ideias na cabeça das duas amigas, ou melhor, das três, que Marta Fonseca, designer da marca e irmã de Inês, também é para aqui chamada. O trio já pensa numa coleção mais extensa que não terá propriamente de esperar pelo verão de 2019 para ganhar forma.

Contornar a sazonalidade do negócio é, por sinal, uma das estratégias da Latitid. Em junho do ano passado, a marca abriu uma loja própria no Porto e já se prepara para substituir o pequeno ponto de venda estival na Embaixada, em Lisboa, por uma loja permanente. A sala é uma das mais generosas do palacete do Príncipe Real e a abertura está prevista para o início de abril.

Já Pureza Mello Breyner voltou a investir nos modelitos para as convidadas. Nos dias 16 e 17 de março, o atelier vai abrir as portas com mais de 200 peças entre os 80€ e os 260€. Não foram feitas pela designer, mas foram escolhidas a dedo para a época dos casamentos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)