Liga dos Campeões

Marcar de bicicleta e ter os adeptos adversários a aplaudir de pé vale recorde? Ronaldo também já o tem

10.014

Buffon desfez-se em elogios a Ronaldo, que lhe tinha marcado sete golos. Hoje foram mais dois, o segundo em forma de monumento que deixou rendidos os adeptos da Juventus no "passeio" do Real (0-3).

O momento da noite, que irá perdurar por muitos e muitos anos: o golo de bicicleta de Ronaldo na vitória frente à Juventus

Getty Images

23 de outubro de 2013, 2-1: dois golos de Cristiano Ronaldo a Gianluigi Buffon. 5 de novembro de 2013, 2-2: um golo de Cristiano Ronaldo a Gianluigi Buffon. 5 de maio de 2015, 1-2: um golo de Cristiano Ronaldo a Gianluigi Buffon. 13 de maio de 2015, 1-1: um golo de Cristiano Ronaldo a Gianluigi Buffon. 3 de junho de 2017, 4-1: dois golos de Cristiano Ronaldo a Gianluigi Buffon. Esta noite havia jogo entre Real Madrid e Juventus em Turim, a contar para a Liga dos Campeões e nem vale a pena explicar quem foram os principais protagonistas. Vale a pena, isso sim, acrescentar mais dois golos a 3 de abril de 2018. Um deles, provavelmente, o melhor na carreira do português.

“Foi um grande golo. Fantástico, tenho de dizer. Mas vamos falar do jogo… Foi incrível marcarmos três golos à Juventus, uma grande equipa. Jogámos bem e claro que estou contente com isso. As palmas dos adeptos da Juventus? Foi um momento inesquecível e agradeço a todos, nunca me tinha acontecido na carreira. Grazie!”, comentou o jogador no final do encontro, antes de falar também de mais um recorde que conseguiu alcançar na Champions: “Não sabia, só soube agora. Esta é a competição do Real Madrid. Adoramos jogar a Liga dos Campeões e eu adoro jogar a Liga dos Campeões. Mas ainda temos a segunda mão e é preciso ter cuidado com a Juventus”.

[Veja as imagens 3D do pontapé de bicicleta de Ronaldo, a 72 km/hora]

Se dúvidas ainda existissem em relação ao instinto do português frente ao monstro das balizas transalpinas, as mesmas ficaram dissipadas logo aos três minutos de um jogo onde Ronaldo tinha apenas tocado um par de vezes na bola, de forma artística, de calcanhar, mas longe da baliza. Isco, o pequeno génio que reivindicou o lugar de Gareth Bale com uma exibição de sonho na goleada da Espanha frente à Argentina, cruzou atrasado no lado esquerdo e o português surgiu mais rápido do que a defesa contrária para inaugurar o marcador. E é aqui que recuperamos as palavras de Buffon sobre o número 7 dos merengues antes do encontro.

Cara a cara, na baliza, é mesmo um assassino. Com essa frieza na hora de marcar só vi Trezeguet. Tive a sorte de jogar contra o Ronaldo brasileiro, com e contra Ibrahimovic, mas Cristiano Ronaldo está a colecionar recordes atrás de recordes e tem a minha plena admiração. Tenho mesmo uma admiração ilimitada pelo Ronaldo, porque foi melhorando com o tempo. É inteligente e pragmático. Nos últimos anos mudou a sua posição e gasta menos energia, continuando a ser realmente letal”, descreveu o experiente guarda-redes italiano, numa entrevista publicada esta segunda-feira na Marca.

O mítico capitão transalpino, um dos 21 jogadores com mais de 1.000 encontros oficiais na carreira (no Restelo juntou-se ao lote o seu amigo Iker Casillas) acertou na mouche, para mal dos seus pecados: mais uma vez ficará a ver o seu grande sonho de vencer a única competição que lhe falta ficar adiado mais um ano. E tudo porque, apanhando-se em vantagem, os espanhóis foram conseguindo controlar e levar o jogo para onde queriam, num encontro que, na primeira parte, teve uma fantástica defesa de Navas a remate de Higuain, um míssil de Toni Kroos que bateu na trave da baliza da Vecchia Signora e uma boa oportunidade desperdiçada por Chiellini.

O momento em que Cristiano Ronaldo inaugurou o marcador, naquele que foi o décimo jogo seguido a marcar na Champions

E agarrando aqui no experiente defesa canhoto da Juventus e da Itália, recordamos os (excelentes) trabalhos que foram feitos na antecâmara deste embate entre antigos e atuais campeões europeus de clubes: a conversa muito descontraída de Chiellini no El Mundo, um perfil do número 3 transalpino feito pelo Telegraph ou a entrevista de Massimiliano Allegri também ao Telegraph. Mas nada como a obra prima que estava a caminho.

Já depois de ter ficado perto do golo nos primeiros minutos da segunda parte (onde Dybala, num livre que bateu na barreira, quase enganou Navas), Ronaldo tinha guardado aquele que provavelmente será o melhor golo da Liga dos Campeões e um dos melhores da temporada: cruzamento de Carvajal na direita e pontapé de bicicleta como se tivesse o dom de parar no ar a deixar Buffon completamente pregado ao chão. E para se perceber a dimensão do momento, um momento que irá perdurar por muitos anos, comparamos a reação dos adeptos da Juventus: quando o português quase marcou uns minutos antes, foi vaiado e insultado; quando o golo saiu mesmo, todo o estádio se mostrou rendido e aplaudiu de pé aquilo que tinha acabado de ver.

Foi uma imagem simbólica da eliminatória, resolvida quando os italianos estavam reduzidos a dez (expulsão por acumulação de amarelos de Dybala, por entrada imprudente sobre Carvajal) com o 3-0 de Marcelo à passagem dos 72 minutos. Assistência de quem? Do número 7 dos blancos, claro, que teve ainda mais três vezes o hat-trick nos pés, atirando uma vez ao lado, outra para defesa de Buffon e a última, isolado, por cima.

O segundo golo de Ronaldo, uma verdadeira obra de arte que deixou os adeptos da Juventus rendidos a bater palmas de pé

No meio de tudo isto, Cristiano Ronaldo bateu mais um recorde: além de ter chegado aos 39 golos em todas as provas na presente temporada, tornou-se o primeiro jogador a marcar em dez jogos seguidos da Champions (Juventus, Apoel, B. Dortmund, Tottenham, Tottenham, Apoel, B. Dortmund, PSG, PSG e Juventus). Mais: nos últimos 14 encontros oficiais, o avançado madeirense marcou um total de 25 golos. E promete não ficar por aqui.

Mas há um registo histórico ainda mais impressionante do capitão da Seleção Nacional: com mais dois golos, chegou aos 120 na Liga dos Campeões (em 153 encontros realizados), uma marca que apenas nove equipas conseguem superar desde que existe a prova (superou também os franceses do Olympique Lyon). E, já agora, Ronaldo reforçou também o estatuto de jogador com mais golos em jogos dos quartos de final da Liga Milionária: 22. Mais: alcançou o 98.º triunfo na principal prova da UEFA, igualando outro nome bem conhecido dos portugueses: Iker Casillas.

Depois de agradecer aos adeptos italianos pelos aplausos, Cristiano Ronaldo voltou às redes sociais e, na sua conta de Instagram, partilhou o vídeo do seu próprio golo e uma mensagem: “Trabalhar muito compensa”. Só nas primeiras nove horas de publicação, o post já tinha recebido perto de 10 milhões de ‘likes’ e mais de 80 mil comentários.

Hard work pays off!

Uma publicação partilhada por Cristiano Ronaldo (@cristiano) a

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)