Argélia

Avião militar cai perto do aeroporto de Boufarik na Argélia e faz 257 mortos

192

O avião militar caiu esta quarta-feira de manhã, perto da capital argelina. O ministro da Defesa argelino diz que há pelo menos dois sobreviventes. Testemunhas dizem ter visto "bola de fogo" no ar.

O avião caiu por volta das 8h, pouco depois de ter saído da base militar de Boufarik, perto de Argel

AFP/Getty Images

Um avião militar despenhou-se durante a manhã desta quarta-feira na Argélia provocando a morte de 257 pessoas, confirmou o Ministério da Defesa argelino. As causas do acidente — que aconteceu por volta das 8h, pouco depois de o avião ter saído da base militar de Boufarik, a menos de 32 quilómetros da capital, Argel — estão ainda por apurar. O desastre é o mais mortífero desde a queda do MH17, da Malaysia Airlines, em 2014.

O voo, que seguia para Bechar, no sudoeste da Argélia, esperava fazer uma paragem em Tinduf, localidade do sul do país que alberga milhares de refugiados do Saara Ocidental, região anexada por Marrocos. A aeronave, um Ilyushin Il-78, transportava entre 100 a 200 oficiais e dez tripulantes de bordo, e terá caído num campo de cultivo. Entre estes contar-se-iam 26 membros da Frente Polisário, um movimento separatista que tem disputado a região com os marroquinos, segundo o canal de televisão Ennahar, citado pela Aljazeera.

Nas últimas horas, o número das vítimas mortais não tem parado de aumentar, com uma fonte militar a revelar ao canal de notícias Al-Hadath que não houve sobreviventes. Ahmed Gaïd Salah, chefe do Estado Maior do Exército argelino, ordenou a abertura de uma investigação para apurar as causas do acidente.

Para o local foram enviadas ambulâncias, e nos vídeos divulgados nas redes sociais é possível ver as nuvens de fumo negro que se formaram depois do acidente.  Algumas testemunhas disseram ao canal de televisão Enhahar TV que viram chamas ainda durante a descolagem do avião.

O porta-voz da proteção cívil argelina disse que tinham os corpos das vítimas apresentavam sinais de “queimaduras profundas causadas pelo incêndio ainda durante o voo, cita o jornal norte-americano New York Times.

O ministro da Defesa argelino disse em comunicado que pelo menos duas pessoas sobreviveram ao acidente e que estão a ser assistidas no hospital. A causa do acidente ainda está sob investigação, avançou o mesmo ministro em comunicado.

Governo argelino faz minuto de silêncio em memória das vítimas

O primeiro-ministro argelino, Ahmed Ouyahia, e restantes membros do governo fizeram um minuto de silêncio em memória das vítimas do acidente desta quarta-feira. Em comunicado, citado pelo site de notícias ALG25, o executivo disse que foi com “grande tristeza” que soube da queda do  Ilyushin Il-78, apresentando as suas “condolências” e “solidariedade” com o Exército. Foram decretados três dias de luto no país.

A queda do Ilyushin Il-78 é o pior acidente aéreo na história da Argélia, mas não é o primero a envolver um avião militar. Em fevereiro de 2014, um C-130 Hercules despenhou-se no monte Djebel Fertas, na região de Oum El Bouaghi, no centro do país, provocando a morte de 77 pessoas. A aeronave, que terá caído devido às más condições atmosféricas, viaja rumo à cidade de Constantine.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)