818kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Argélia. Homem encontrado com vida depois de 26 anos em cativeiro na casa do vizinho

Homem argelino de 45 anos foi encontrado vivo, num curral, após 26 de cativeiro, a apenas a 200 metros de sua casa. O suspeito é o seu vizinho de 61 anos.

ENNAHARTV
i

Omar Bin Omran, de 45 anos, terá desaparecido durante a guerra civil argelina na década de 1990

ENNAHARTV

Omar Bin Omran, de 45 anos, terá desaparecido durante a guerra civil argelina na década de 1990

ENNAHARTV

Omar Bin Omran. É este o nome do homem que foi encontrado com vida na casa do vizinho em Djelfa, na Argélia, depois de 26 anos em cativeiro, num curral. Segundo a imprensa argelina, Omar tem 45 anos e terá desaparecido no final da década de 1990, quando era adolescente — na altura, teria 19 anos. Agora foi descoberto a apenas 200 metros da casa onde cresceu.

De acordo com um oficial do tribunal argelino contou à BBC,  tudo começou quando o Ministério Público recebeu uma denúncia que Omran estaria na casa de um dos seus vizinhos, dentro de um curral. “Na sequência desta queixa, o procurador-geral ordenou à guarda nacional que abrisse uma investigação aprofundada e os agentes foram à casa em questão”, detalhou a mesma fonte. Desta forma, “no dia 12 de maio, às 20h, encontraram a vítima Omar bin Omran, de 45 anos, no curral do seu vizinho, de 61 anos”.

Um vídeo partilhado na rede social X, mostra o momento em que Omran foi encontrado, em Djelfa, num curral, rodeado de palha.

[Já saiu o primeiro episódio de “Matar o Papa”, o novo podcast Plus do Observador que recua a 1982 para contar a história da tentativa de assassinato de João Paulo II em Fátima por um padre conservador espanhol. Ouça aqui.]

O suspeito — dono da casa onde estaria Omran, de 61 anos — terá ainda tentado fugir do local, mas foi detido pelas autoridades, segundo a BBC.

A polícia fala de um crime “hediondo” e revela que Bin Omran, na presença dos socorristas, dise que nunca conseguiu pedir ajuda “por causa de um feitiço que o seu raptor lançou sobre ele”.

No período em que Omran desapareceu, na Argélia, decorria uma guerra civil entre o Governo e grupos islâmicos, que provocou 200 mil mortos e 2o mil sequestrados. Deste modo, a família acreditava que Omrans estivesse entre estes números. A sua mãe nunca deixou de o procurar, mas morreu em 2013. As autoridades prosseguem agora com a investigação do caso.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos