Política

Margarida Balseiro Lopes é a nova líder da JSD. “Este é o maior desafio da minha vida”

1.086

A deputada social-democrata, próxima da ala passista do partido, sucede assim a Cristóvão Simão Ribeiro e torna-se a primeira mulher a liderar a JSD. "Este é o maior desafio da minha vida", afirmou.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Margarida Balseiro Lopes é a nova presidente da Juventude Social-Democrata (JSD). A deputada do PSD, próxima da ala passista, derrotou André Neves, candidato da linha de Rui Rio, por mais de 60 votos de diferença.

A consultora fiscal sucede assim a Cristóvão Simão Ribeiro e torna-se a primeira mulher a liderar aquela estrutura partidária. A eleição decorreu este domingo, no final do 25º Congresso da JSD, que decorreu na cidade da Póvoa de Varzim.

Numa primeira reação ao Observador, a nova líder da JSD revelou não estar ainda “em si” pela vitória alcançada. Minutos depois, no discurso de encerramento do congresso, Margarida Balseiro Lopes assumiu a importância do cargo. “Este é o maior desafio da minha vida.”

Visivelmente emocionada, Balseiro Lopes garantiu que não deixará nunca de lutar por fazer ouvir a voz dos mais jovens. “Vezes demais as gerações mais novas são ignoradas. Não podemos permitir que sejamos sucessivamente esquecidos. Eu não vou permitir”, afirmou a nova líder da JSD.

Num discurso muito centrado na reforma da educação e nos apoios ao emprego jovem, Balseiro Lopes não deixou de se dirigir a Rui Rio, jurando “lealdade” mas também, e a social-democrata sublinhou-o bem — “autonomia”.

Conte com uma JSD leal, exigente e irreverente. Mas conte também com uma JSD livre e autónoma”, avisou Margarida Balseiro Lopes.

Depois de um processo eleitoral muito tenso, com acusações de golpe político à mistura, a nova líder dos jotas pediu agora “unidade”. “Os jovens portugueses merecem que trabalhemos juntos. Esse deve ser maior cimento da JSD, que deverá sair unida deste congresso”, afirmou Margarida Balseiro Lopes.

“Queremos uma JSD que incomode e não se esconda em silêncios inconvenientes. Queremos uma JSD de ação e não de reação. Queremos devolver a política aos jovens”, rematou a líder da juventude social-democrata.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: msantos@observador.pt
Política

Humilhadas e ofendidas

Alberto Gonçalves
314

O problema põe-se ao contrário: a maioria das senhoras (e dos cavalheiros, calculo) é competente o bastante para evitar a política e deixá-la ao cuidado dos que, independentemente do sexo, não são.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site