Os diamantes encontrados dentro de um meteorito que explodiu no deserto da Núbia em 2008 são de um “planeta desaparecido” no nosso sistema solar. O planeta misterioso teria as dimensões de Mercúrio e Marte, de acordo com o estudo publicado na revista Nature Communications.

As análises microscópicas feitas por um grupo de investigadores sugerem que o protoplaneta existiu há 10 milhões de anos e que a pressão necessária para produzir diamentes deste tipo só poderia acontecer num planeta cujo tamanho fosse semelhante ao de Mercúrio e Marte.

Farhang Nabiei, da École Polytechnique Fédérale de Lausanne (EPFL), na Suíça, e os colegas afirmam que o tamanho fornece “a evidência de que um corpo grande desapareceu desde então”. A descoberta também comprova a teoria que diz que os planetas do Sistema Solar se formaram a partir de protoplanetas.

Estamos provavelmente a olhar para um objeto que foi um dos primeiros planetas a girar à volta do Sol antes de colidirem uns com os outros, criando os planetas que conhecemos hoje em dia”, disse o cientista.

O grupo de investigadores utilizou três tipos de microscopia e fez a caracterização mineral e química dos diamantes, que se formaram em pressões que rondavam os 20 gigapascals (GPa).

Mapa da composição dos diamantes.

Chamado 2008 TC3, ou Almahata Sitta, este meteorito foi visto a 6 de outubro de 2008 e seguido por milhares de telescópios antes de explodir, no dia seguinte. Uma expedição imediatamente montada pelo Instituto de Investigação de Inteligência Extra-Terrestre da Califórnia e pela Universidade de Cartum permitiu encontrar 47 fragmentos, com um peso total de quase quatro quilos.