Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os diamantes encontrados dentro de um meteorito que explodiu no deserto da Núbia em 2008 são de um “planeta desaparecido” no nosso sistema solar. O planeta misterioso teria as dimensões de Mercúrio e Marte, de acordo com o estudo publicado na revista Nature Communications.

As análises microscópicas feitas por um grupo de investigadores sugerem que o protoplaneta existiu há 10 milhões de anos e que a pressão necessária para produzir diamentes deste tipo só poderia acontecer num planeta cujo tamanho fosse semelhante ao de Mercúrio e Marte.

Farhang Nabiei, da École Polytechnique Fédérale de Lausanne (EPFL), na Suíça, e os colegas afirmam que o tamanho fornece “a evidência de que um corpo grande desapareceu desde então”. A descoberta também comprova a teoria que diz que os planetas do Sistema Solar se formaram a partir de protoplanetas.

Estamos provavelmente a olhar para um objeto que foi um dos primeiros planetas a girar à volta do Sol antes de colidirem uns com os outros, criando os planetas que conhecemos hoje em dia”, disse o cientista.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O grupo de investigadores utilizou três tipos de microscopia e fez a caracterização mineral e química dos diamantes, que se formaram em pressões que rondavam os 20 gigapascals (GPa).

Mapa da composição dos diamantes.

Chamado 2008 TC3, ou Almahata Sitta, este meteorito foi visto a 6 de outubro de 2008 e seguido por milhares de telescópios antes de explodir, no dia seguinte. Uma expedição imediatamente montada pelo Instituto de Investigação de Inteligência Extra-Terrestre da Califórnia e pela Universidade de Cartum permitiu encontrar 47 fragmentos, com um peso total de quase quatro quilos.