Prémios e Galardões

Patrícia de Melo Moreira vence Prémio Estação Imagem. “Devia haver mais mulheres no fotojornalismo”

Foi a primeira mulher a ganhar o prémio e fê-lo com "Verão Negro", trabalho sobre os incêndios de 2017 em Portugal. No discurso, Patrícia Moreira criticou a precariedade no setor.

A fotojornalista Patrícia de Melo Moreira, que tirou esta fotografia, venceu o prémio Estação imagem 2018

PAULO NOVAIS/LUSA

A fotojornalista da agência France-Presse (AFP) Patrícia de Melo Moreira venceu o prémio Estação Imagem 2018 Coimbra com o trabalho “Verão Negro”, sobre os incêndios que assolaram o país no ano passado, anunciou este sábado a organização.

Com o trabalho para a agência France-Presse sobre os grandes incêndios de 2017, Patrícia de Melo Moreira é a primeira fotojornalista mulher a arrecadar o prémio principal do Estação Imagem, que vai na sua nona edição.

[Uma das fotografias de “Verão Negro”, trabalho que deu à fotojornalista a vitória no prémio Estação Imagem:]

A Fotografia do Ano foi atribuída ao galego Gabriel Tizon, com “O Frio dos Refugiados”, em que retrata um jovem refugiado na fronteira entre a Sérvia e a Croácia, tendo os fotojornalistas Nuno André Ferreira e Filipe Amorim recebido uma menção honrosa por “Incêndios” (sobre os incêndios de outubro, em Tondela) e “Bons Amigos” (que capta um pontapé de um futebolista a um colega de equipa), respetivamente.

Os incêndios de 2017, que afetaram em particular a região Centro do país, estiveram presentes noutras categorias da edição deste ano do Estação Imagem, com a distinção para “Um País em Luto”, de Rui Duarte Silva, na categoria de Notícias, e com “Incêndios Florestais em Portugal”, de Mariline Alves, na categoria de Ambiente.

Em Assuntos Contemporâneos, Luís Preto foi o distinguido, com “Maciço Antigo”, um trabalho em torno da “mutação do mundo rural português”, por entre montanhas e planaltos do Minho e Trás-os-Montes, numa categoria onde José Ferreira recebeu uma menção honrosa com “Foras da Lei”.

O fotojornalista Rui Oliveira, com “O Bairro Esquecido”, sobre o Bairro do Aleixo, no Porto, ganhou na categoria de Vida Quotidiana, em que também arrecadou uma menção honrosa com o trabalho “O Renascer de Isabel Batata Doce”, sobre a história de uma mulher que tinha sido trazida para Portugal ainda bebé por um grupo de soldados portugueses, durante a guerra colonial em Angola, e que, 52 anos depois, decidiu regressar à sua terra natal.

Gonçalo Delgado venceu no domínio de Arte e Espetáculos, com “A Semana Santa de Braga”, e António Pedro Santos em Desporto, com “À prova de água”, sobre o atleta federado na modalidade de natação adaptada Alexandre Albernaz.

Leonel de Castro ganhou a distinção em Série de Retratos, com “Chaga” – um ensaio sobre o cancro da mama na mulher e o conflito que surge entre “doença e amor” -, categoria em que Mário Lopes Pereira recebeu uma menção honrosa por “Mai Novo”, sobre um projeto de barbeiros que trabalham com sem-abrigo.

O prémio Noroeste Peninsular foi para “O Salto”, de Bruno Fonseca, e o prémio Europa para Rui Duarte Silva, com “Geração X”, sobre a nova geração “de estudantes sem fronteiras”.

As bolsas de Estação Imagem 2018 Viana do Castelo e Coimbra foram entregues, respetivamente, a Gonçalo Delgado, com um projeto sobre a forma como as famílias no Minho vivem através da agricultura, e a Bruno Silva, com a proposta de abordar a “problemática da saudade” em Coimbra.

O prémio destina-se a premiar reportagens de fotógrafos portugueses, dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), e da Galiza, ou feitas por estrangeiros nestes territórios. Coimbra é, pela primeira vez, a anfitriã deste festival de fotojornalismo, que, no passado, decorreu em Mora e em Viana do Castelo.

“Devia haver mais mulheres no fotojornalismo”

A fotojornalista da agência France-Presse (AFP) Patrícia de Melo Moreira, que venceu este sábado o prémio Estação Imagem 2018, considera que ter sido a primeira mulher a ganhar o prémio principal significa que devia haver mais mulheres no fotojornalismo.

Ser a primeira mulher a arrecadar o principal prémio do concurso, que vai na sua 9.ª edição, “significa que deve haver mais mulheres no fotojornalismo”, disse à agência Lusa a fotojornalista, que trabalha há oito anos para a AFP, em Portugal.

“O prémio Estação Imagem já existe há alguns anos e ser a primeira mulher, só agora, a ganhar o prémio principal, quer dizer alguma coisa. Das duas uma: ou as mulheres não estão a receber incentivos suficientes para estarem no fotojornalismo e para fazerem os seus projetos, ou então também quer dizer que as mulheres têm de concorrer mais, participar mais, serem mais confiantes e terem mais proatividade para participarem, seja nos concursos seja no fotojornalismo”, afirmou.

Para Patrícia de Melo Moreira, o fotojornalismo está “bem de saúde, a nível de qualidade”, no entanto, notou, a profissão não é “reconhecida pelos meios de comunicação”, especialmente em Portugal, criticando a precariedade que afeta o setor.

“Tem de haver reconhecimento do trabalho jornalístico, que é bastante importante para todos, não só para a comunicação social. Um jornalismo de qualidade é importante para toda a população”, vincou a fotojornalista que, no discurso de aceitação do prémio, mostrou a sua revolta pelo “sistema precário” que se instalou, estando a trabalhar há oito anos para a AFP a recibo verde.

Durante o discurso, Patrícia de Melo Moreira referiu que a precariedade leva a uma “vida de incerteza e instabilidade”.

O presidente do júri do Estação Imagem, Santiago Lyon, antigo diretor de fotografia da agência de notícias norte-americana Associated Press, disse por seu lado que, “hoje em dia, o fotojornalismo está numa crise. Não acho que seja catastrófico, mas está em constante mudança e é difícil para os fotógrafos e fotojornalistas encontrar trabalho e, em muitos casos, o trabalho e o dinheiro vêm do setor comercial”, constatou.

Apesar disso, Santiago Lyon mostra-se confiante relativamente ao futuro, acreditando que a tecnologia que hoje existe para contar histórias “é poderosa e as pessoas têm um apetite para compreender o mundo através de histórias visuais”.

Questionado pela Lusa, o presidente do júri do Estação Imagem considerou que as fotografias de Patrícia de Melo Moreira, em torno dos fogos de 2017, captaram “o drama” dos incêndios, num trabalho “muito urgente e poderoso”.

Sobre o fotojornalismo em Portugal, Santiago Lyon mostrou-se “impressionado com a qualidade do trabalho” dos fotógrafos portugueses que, em qualquer temática, apresentaram fotografias “de classe mundial”. No júri do concurso deste ano estiveram também os fotojornalistas Sara Naomi Lewkowicz, Marco Longari e Tanya Habjouqa.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)