Caso José Sócrates

Sócrates acusa Procurador de mentir, mas afinal defesa sabia que o interrogatório foi filmado: “Soubemos no final”

1.543

Numa nota intitulada "O Procurador Mentiu", defesa garante que Sócrates não foi informado das filmagens. SIC mostra novas imagens de Sócrates a pedir cassetes. Delille explica-se: "Soubemos no final".

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Autores
  • Tiago Palma
  • Rita Ferreira

“No final do interrogatório soubemos que teria sido gravado.” Foi desta forma que o advogado de José Sócrates, Pedro Delille, explicou ao Observador por que razão surge num vídeo mostrado pela SIC, no final do interrogatório, a pedir para levar as cassetes consigo. Isto depois de ter emitido uma nota que foi enviada para a comunicação social intitulada “O Procurador Mentiu”, na qual garante que “o Senhor Eng. José Sócrates e os seus advogados não foram informados que o interrogatório estava a ser filmado”, não o tendo, portanto, “consentido”. E acrescentava: “Do interrogatório nada consta sobre tal matéria. Aliás, no auto deste interrogatório não se mostra sequer consignado o início e o termo de cada gravação, ao contrário do que a lei obriga.”

“O Senhor Procurador faltou, pois, conscientemente e deliberadamente à verdade. Mentiu a todos os portugueses que o estavam a ouvir”, conclui Pedro Delille na nota, garantindo que à defesa de José Sócrates “não resta, pois, alternativa que a de registar e desmentir publicamente tal falsidade”.

O Procurador Filipe Preces (que participou no interrogatório de 13 de março de 2017 a José Sócrates) garantiu segunda-feira na RTP, durante o programa “Prós e Contras”, que o antigo primeiro-ministro, bem como os seus advogados, “sabiam perfeitamente que aquela diligência seria registada em vídeo e em áudio”.

Entretanto, no Jornal da Noite, a SIC revelou a parte final do interrogatório de 2015, no qual José Sócrates aparece a dizer ao Procurador Rosário Teixeira que espera “que isto seja um interrogatório e não uma entrevista televisiva”. Rosário Teixeira responde que não leva “as cassetes” nem leva “as escutas”. E Pedro Delille intervém, dizendo: “Mas nós levamos.” O interrogatório é dado como concluído pelo procurador.

Perante estas imagens, Pedro Delille, contactado pelo Observador, afirma que em nada elas põem em causa o comunicado, continuado a afirmar que não foram previamente avisados de que o interrogatório estaria a ser filmado. “Eu percebi que estava a ser filmado e fomos então informados”, sendo que, segundo Delille, tudo isto se terá passado já no final do interrogatório. “Pedimos as cassetes e o engenheiro Sócrates disse que esperava que aquilo não fosse transmitido”, explica Delille, reafirmando: “Não consentimos a gravação.” E escuda-se no auto do interrogatório no qual, garante, “não consta” a realização das filmagens.

Perante o sucedido, a defesa de José Sócrates reclamou: “Levantei um protesto formal depois de José Sócrates ter advertido o senhor procurador para que não houvesse divulgação de imagens.”

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)