Esta pode ser uma jornada fundamental para o título, escreveu-se durante a semana. E foi, mais do que se poderia pensar. Mas foi num contexto diferente: quando se pensava que poderia ser o FC Porto a perder terreno no primeiro lugar, foi o Benfica que colocou em risco a segunda posição. A duas jornadas do fim, temos a questão da liderança quase definida e os restantes lugares do pódio em aberto. Mas vamos então às contas do que falta.

No caso do FC Porto, as necessidades para carimbar a vitória no Campeonato cinco anos depois são simples: precisa apenas de empatar na receção ao Feirense do próximo domingo, dia 6. E até pode nem precisar desse resultado porque, caso o dérbi lisboeta em Alvalade termine com uma igualdade, os dragões são automaticamente campeões. Caso o improvável aconteça e fique tudo adiado para a última ronda, os azuis e brancos vão a Guimarães com a mesma matemática, necessitando apenas de um empate para confirmarem a primeira posição.

Como Conceição apagou em 50 jogos quatro anos de Pinto da Costa (a crónica do Marítimo-FC Porto)

Depois, o Benfica. Rui Vitória ainda mantinha aquela esperança matemática no título mesmo depois da derrota na Luz com o Tondela, mas o triunfo do FC Porto na Madeira acabou por abortar quase por completo esse objetivo de alcançar um inédito penta na história do clube. E até o segundo lugar está em perigo, dependendo muito do que se passar em Alvalade na próxima ronda com o Sporting: caso empate a zero, o conjunto encarnado entra na última jornada com o Moreirense a necessitar que os leões façam um resultado pior; caso perca, o objetivo passará a ser defender o terceiro lugar, face à proximidade do Sp. Braga nestas contas da parte de cima da tabela.

Se isto é um campeão (a crónica do Benfica-Tondela)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Com os mesmos pontos do que as águias aparece agora o Sporting, que recuperou seis pontos nas últimas três jornadas ao velho rival. A atravessar uma série de seis triunfos consecutivos, os comandados de Jorge Jesus vão receber o Benfica em Alvalade na próxima ronda e do resultado do dérbi sairão as metas para a última ronda: em caso de vitória, assegura automaticamente vantagem sobre o Benfica e bastará apenas empatar com o Marítimo para ficar à frente do Sp. Braga; em caso de empate a zero, terá de ganhar na Madeira ao Marítimo na última ronda para depender de si; em caso de empate com golos, está obrigado a vencer os insulares e esperar uma escorregadela dos encarnados na última ronda; em caso de derrota, pode ser apanhado pelo Sp. Braga, sendo que tem desvantagem no confronto direto com o conjunto de Abel.

As pernas não disfarçaram o calcanhar de Aquiles mas há sempre aquele pé direito (a crónica do Portimonense-Sporting)

Por fim, o Sp. Braga. Após o triunfo no Restelo esta noite (28 pontos ganhos nos últimos dez jogos), os arsenalistas somam 74 pontos (um recorde do clube, superando a marca de 2010), menos três do que Benfica e Sporting e jogam na sexta-feira em casa com o Boavista, o que pode levar à subida provisória ao lote de segundos classificados. Depois, mediante o resultado no dérbi, terá um último objetivo para a última ronda, onde joga em Vila do Conde com o Rio Ave: partindo do pressuposto que vencem os axadrezados, os bracarenses saltam para o terceiro lugar em caso de vitória do Benfica ou igualam os encarnados com desvantagem no confronto direto em caso de triunfo do Sporting. Em caso de empate, os minhotos terão de esperar por um deslize de pelo menos um para sonhar com um lugar no pódio, que até poderia ser o segundo se ambos não ganhassem de novo na derradeira jornada.