Tabaco

Fumo do tabaco está presente até onde não se fuma

107

Os investigadores descobriram partículas de fumo de tabaco num espaço onde não se fuma: uma sala de aulas desocupada. Agora falta perceber que impacto é que isto pode ter na saúde.

Getty Images/iStockphoto

Se não é fumador (ou mesmo que seja), talvez já tenha ficado incomodado com o fumo de tabaco que entra pela janela ou pelo cheiro da pessoa (fumador) que se senta ao seu lado. Mais do que o desconforto imediato, as partículas de fumo de tabaco vão ficar nesse espaço e espalhar-se por outras salas através dos sistemas de circulação de ar, podendo ser inaladas a qualquer momento. As conclusões foram publicadas esta quarta-feira pela revista científica Science Advances.

Os malefícios do fumo do tabaco em segunda mão (fumadores passivos) já são conhecidos e motivaram a legislação que proíbe que se fume em espaços fechados e outras restrições em vários países. No entanto, sobre o impacto do fumo em terceira mão — as partículas persistentes de fumo de tabaco que ficam agarradas à roupa e a outras superfícies — pouco se sabe.

A equipa de Peter DeCarlo, professor na Universidade de Drexel (Estados Unidos), pretendia estudar as partículas que podem ser respiradas numa sala desocupada. A ideia não era procurar influência do fumo de tabaco, mas os resultados que obtiveram surpreenderam-nos: a sala, onde não se fumava, tinha 29% de partículas de fumo em terceira mão. Isto motivou a equipa a descobrir como é que era possível.

Primeiro: como é que o fumo (e respetivas partículas) entra num espaço onde não se fuma? Pelas janelas e portas entreabertas, pelas frestas dos edifícios, mas também agarrado à roupa e acessórios dos fumadores ou das pessoas que estiveram em contacto com o fumo.

Segundo: como é que as partículas ficam na sala mesmo que esta seja arejada e ventilada? Mesmo as partículas que são transportadas pela roupa podem aderir a superfícies no interior dos espaços, incluindo cadeiras ou paredes. Quando estas moléculas de fumo interagem com outras moléculas presentes no ar interior — incluindo algumas que libertamos quando respiramos — podem soltar-se das superfícies, ficar suspensas no ar e ser inaladas.

Terceiro: o que acontece numa sala, acontece em todas. Uma vez que as moléculas de fumo sejam soltas da superfície podem voltar a ligar-se a outra superfície ou ficarem associadas com moléculas de água (aerossóis), sendo este o caminho mais simples para entrarem no sistema de ventilação e chegarem a todas as salas do edifício partilhem o mesmo sistema de ventilação.

As medições foram feitas numa sala desocupada da universidade, mas os resultados em laboratório demonstram que pode ser aplicável a outras situações, como num prédio onde os vizinhos fumem dentro de casa ou num carro onde em viagens anteriores os ocupantes fumaram dentro do veículo.

A equipa do especialista em ambientes interiores, Peter DeCarlo, espera que estes resultados possam ser tidos em consideração nas políticas de prevenção à exposição de fumo de tabaco, incluindo de fumo de cigarros eletrónicos que, segundo os autores do trabalho, podem estar associados às mesmas partículas de nicotina em terceira mão.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)