Ensino Superior

Há 4 escolas portuguesas no ranking do Financial Times. Católica é a melhor

2.683

Católica é a primeira escola portuguesa a surgir nos rankings de formação executiva do Financial Times (40.º). Segue-se a Nova SBE (50.º). Porto Business School e ISCTE também estão cotadas.

Há 12 anos que a Católica é a líder portuguesa nos rankings do Financial Times

António Cotrim/LUSA

A Universidade Católica é a grande vencedora portuguesa nos rankings globais do Financial Times, publicados esta segunda-feira, sobre formação executiva. Em relação ao ano anterior, a Católica Lisbon School of Business & Economics sobe 3 posições, tendo sido considerada a 40.ª melhor do mundo.

Entre as 50 melhores do mundo, aparece ainda a Nova SBE, no último lugar da tabela. Porto Business School e ISCTE aparecem também nos rankings do Financial Times, a primeira nas duas categorias estudadas, programas abertos e customizados, a segunda apenas nos customizados.

Assim, pelo 12.º ano consecutivo, a Católica sagra-se líder portuguesa na formação de executivos. Para Nuno Fernandes, dean da Católica Lisbon School of Business & Economics, a posição de liderança “deve-se ao acumular de experiência, qualidade e de competências necessárias para responder a projetos ambiciosos como são aqueles que os profissionais e empresas hoje exigem: com impacto”.

Em comunicado enviado às redacções, o dean da Católica — que este ano celebra 25 anos de formação de executivos — diz ainda que constata que “cada vez mais, as empresas, nacionais e internacionais, vêem a formação da Católica como um investimento diferenciador e de elevado retorno”.

Para além do 40.º lugar no ranking das 50 melhores escolas de formação de executivos, a Católica aparece ainda em 50.º lugar na categoria dos chamados programas abertos, aos quais qualquer estudante se pode candidatar, e em 42.º lugar na categoria dos programas customizados, ou seja, aqueles que são feitos à medida das empresas que os encomendam.

No top do Financial Times, a segunda melhor escola portuguesa é a Nova SBE. Em comunicado, a escola classificada como a 50.ª melhor escola de Formação de Executivos no mundo e 26.ª na Europa, ressalva que tem desenvolvido o seu trabalho para competir com as melhores escolas do mundo.

“Os rankings são um elemento de avaliação do processo que fazemos com os executivos e com as empresas, trabalhando em conjunto com elas no seu processo de desenvolvimento e crescimento. A presença contínua da Nova SBE reforça o nosso progresso e a nossa marca junto dos nossos pares globais e, principalmente, permite-nos estimular ainda mais o nosso mercado, no qual as necessidades de formação e desenvolvimento são muito significativas”, defende Luís Rodrigues, CEO Nova SBE Executive Education.

“As empresas e os executivos portugueses têm de despertar para a necessidade crítica de investir no seu desenvolvimento, para poderem mostrar todo o seu potencial. Temos grandes qualidades e um potencial enorme, só temos de o trazer para o mercado”, reforça o CEO.

A Nova SBE ficou em 57.º lugar na categoria de programas abertos e em 62.º lugar nos programas customizados.

Nos rankings do Financial Times, surge ainda a Porto Business School em 69.ª posição nos programas abertos e em 75.ª posição nos programas customizados. Também em comunicado, a escola ressalva ter mantido a sua posição em relação a 2017, apesar de sete novas escolas de negócio ter entrado na corrida.

“Os últimos anos têm sido anos de crescimento da Porto Business School, quer em número de alunos, nacionais e internacionais, quer em programas e volume de negócios. As parcerias estratégicas com escolas internacionais de referência, aliadas à nossa forte ligação ao universo empresarial têm-nos permitido desenvolver programas e metodologias inovadoras, criando um impacto positivo cada vez maior nas empresas e nas pessoas.”, refere Ramon O’Callaghan, dean da Porto Business School, na nota enviada às redacções.

Por último, apenas nos programas abertos, surge o INDEG ISCTE em 80.º lugar.

No ranking do Financial Times, a suíça IMD — International Institute for Management Development e a espanhola Iese Business School são as grandes vencedoras. A escola de Lausanne ficou em primeiro lugar nos programas abertos, enquanto que a de Barcelona ganha na categoria de programas customizados.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: akotowicz@observador.pt
Ensino Superior

Propinas: para que te quero? /premium

Manuel Villaverde Cabral

Segundo a OCDE um licenciado ganha, em média, 69% acima de um diplomado do ensino secundário e fica menos tempo desempregado. Será justo que os impostos de pobres e ricos paguem o custo das propinas?

Ensino Superior

Das propinas e da ausência delas

João Pires da Cruz
177

Faz todo o sentido acabar com as propinas e acabar com a situação em que a educação superior é educação para os filhos dos ricos. Que são dois problemas de gestão e, como tal, possíveis de resolver. 

Ensino Superior

A fraude da eliminação das propinas

André Azevedo Alves
893

Aos 18 anos os jovens poderiam votar, mas estariam ao mesmo tempo sujeitos à frequência compulsiva de um “ciclo geral universitário” para receberem a adequada doutrinação socialista.

IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)