Rádio Observador

Jovens

Portugal é dos países da UE onde jovens vivem até mais tarde com os pais

180

Os jovens portugueses só deixam de viver em casa dos pais por volta dos 29,2 anos de idade, em média, o que constitui o sétimo valor mais elevado da União Europeia (UE), revela o Eurostat.

JUAN HERRERO/EPA

Os jovens portugueses só deixam de viver em casa dos pais por volta dos 29,2 anos de idade, em média, o que constitui o sétimo valor mais elevado da União Europeia (UE), revelam dados publicados pelo Eurostat, esta terça-feira.

De acordo com os dados do gabinete oficial de estatísticas da UE, em média os jovens europeus saem de casa dos progenitores por volta dos 26 anos, mas registam-se grandes diferenças entre os Estados-membros, com os jovens nos países escandinavos a deixarem de viver com os pais pouco depois de completarem 20 anos, enquanto em Malta e Croácia só o fazem por volta dos 32 anos.

Segundo o relatório sobre “quando é que os jovens europeus deixam o ninho”, publicado pelo Eurostat, em 2017, os países onde os jovens mais cedo deixaram de viver com os pais foram três Estados-membros nórdicos – Suécia (21 anos), Dinamarca (21,1) e Finlândia (21,9) -, seguidos do Luxemburgo (21,4), enquanto os países onde os jovens em média mais tempo continuaram a viver com os pais foram Malta (até aos 32,2 anos), Croácia (31,9), Eslováquia (30,8), Itália (30,1), Grécia (29,4), Espanha (29,3) e Portugal (29,2).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Férias

Suportem-se uns aos outros nestas férias /premium

Laurinda Alves
263

“Suportai-vos uns aos outros” é um abaixamento pelo outro. Pelo melhor para o outro. Uma atitude cristã, eu sei, mas vejo tantos descrentes adotarem-na que não se pode dizer que é exclusivo de crentes

Jovens

O Presidente e os Jovens: Ato Um, Quarta Cena

José Pinto

Não parece abusivo dizer que as preocupações do Presidente com a juventude transmitem uma sensação de "déjà vu": os jovens destinatários dos discursos iniciais já fazem parte da atual geração grisalha

Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja
132

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)