Ações

Três bancos acusados de manipularem preços de ações na Austrália

A Austrália acusou os bancos Citigroup, Deutsche Bank e New Zealand Banking (ANZ) e seis funcionários de manipularem os preços relativos à venda de ações do ANZ.

DAN HIMBRECHTS/EPA

A Austrália acusou os bancos Citigroup, Deutsche Bank e New Zealand Banking (ANZ) e seis funcionários de manipularem os preços relativos à venda de ações do ANZ, foi esta quarta-feira noticiado. A acusação alegou que, há três anos, estes bancos fizeram acordos de não concorrência para fixarem os preços das ações do banco australiano ANZ, detidas pelo Deutsche Bank e pelo Citigroup, que foram vendidas a investidores institucionais, no valor de 2,5 mil milhões de dólares australianos (1,6 mil milhões de euros).

De acordo com as autoridades australianas, o Citigroup e o Deutsche Bank combinaram, alegadamente, um preço mínimo para as ações, de modo a que não perdessem valor. O primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull, afirmou que as autoridades vão “garantir que aqueles que fizeram coisas erradas sejam responsabilizados”.

Turnbull considerou que esta acusação, juntamente com acordo feito esta semana com o maior banco do país, Commonwealth Bank of Australia, é a prova que os reguladores do país estão a trabalhar bem. O Commonwealth Bank of Australia aceitou pagar uma multa recorde de 700 milhões de dólares australianos, por não cumprir as medidas de prevenção de lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo.

“Os clientes não foram postos em primeiro lugar e estamos determinados a garantir que a má conduta do setor financeiro não se repita, por isso alterámos e melhorámos a lei, dando maiores recursos aos reguladores para garantir que estas infrações não se repitam”, sublinhou.

Os três bancos negaram estas acusações e afirmaram que vão defender os atuais e ex-funcionários. A primeira audiência no tribunal de Sydney está marcada para 03 de julho. Com as alterações à lei introduzidas em 2009 no país, os arguidos enfrentam uma pena máxima de 10 anos de prisão e multas que podem ascender até aos 420 mil dólares australianos.

Caso sejam condenados, os bancos enfrentam uma pena que pode chegar a 10% das faturações anuais ou a uma multa equivalente a três vezes o benefício obtido com a infração. O ex-diretor do Citigroup na Austrália Stephen Roberts e o ex-diretor do Deutsche Bank na Austrália Michael Ormaechea estão entre os arguidos.

Também o ex-diretor de mercados de capital do Deutsche Bank na Austrália Michael Richardson foi acusado, juntamente com mais três funcionários, um de cada instituição bancária.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Espanha 2015

Nem tudo vale na política

Dantas Rodrigues

Oportunismos como o da candidatura de Manuel Valls em Barcelona é que degradam a imagem da política e alimentam a propagação de partidos populistas sejam eles de extrema-direita ou de extrema-esquerda

Igreja Católica

Tríptico europeu /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A Europa do terceiro milénio, perdida a sua identidade cristã, que era a razão de ser da sua unidade e grandeza, é um continente à deriva.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)