(artigo atualizado às 09h34)

A carta de rescisão de Bruno Fernandes, jogador que deixou o Sporting esta segunda-feira (e no qual o Benfica já mostrou interesse), é em muito semelhante às de Rui Patrício e Podence. O Observador comparou o documento de 36 páginas, a que o jornal Record teve acesso, com as cartas de rescisão dos primeiros dois jogadores. Ao todo, existem seis frases inéditas na carta de rescisão de Bruno Fernandes, quase todas diretamente relacionadas com os desacatos em Alcochete, na Academia do Sporting:

  1. “A verdade é que tememos todos pela nossa vida. A partir de determinada altura, o descontrolo era tal que senti que podia não sair dali com vida!”

  2.  “Ainda hoje acordo de noite, em sobressalto, com as imagens de terror que retive e que revejo e não consigo pensar em voltar àquele local.”

  3.  “Acordo banhado em suor e com a sensação física, até de dor, que estou a levar chapadas.”

  4. “Tanto mais que existem responsáveis do ataque de Alcochete que fugiram, e podem voltar a atacar-nos, até para nos intimidar nos nossos depoimentos.”

  5. “Tenho 23 anos, amo o que faço, e sei que não o poderei fazer mais do que uma década, e sei que dependo, para alcançar os meus objetivos, não só do meu desempenho individual, como de um grupo de trabalho, motivado e respeitado. Tenho, pois, o direito a exercer a minha profissão em condições semelhantes e com a dignidade que o Sporting não me proporcionou.”

  6. “Vim para o Sporting por causa de um projeto desportivo que já não existe, que se desmoronou por culpa exclusiva do Sporting Clube de Portugal.”

“[BdC] atiçou a ira dos adeptos contra mim”. Leia aqui na íntegra as 34 páginas da rescisão de Rui Patrício e Podence

Bruno de Carvalho é o principal visado por Bruno Fernandes. Na carta, o jogador considera “chocantes” as palavras do presidente do Sporting, proferidas após as agressões em Alcochete, referindo que o líder do clube leonino parecia estar a “gozar com o sucedido”, quando disse: “Foi mau, foi chato ver as famílias ligarem preocupadas”.

A carta de rescisão de Bruno Fernandes será idêntica às de William e Gelson. Bruno de Carvalho disse esta segunda-feira à noite, em conferência de imprensa, que até a fonte de letra era a mesma.

Caso seja dada razão aos seis jogadores que já rescindiram o contrato com o Sporting — Bruno Fernandes incluído –, os mesmos terão direito a uma compensação mínima de 36,72 milhões de euros, isto tendo apenas por base os salários em falta até ao final dos respetivos contratos, tal como explica o Record. O prejuízo mais elevado é, no entanto, difícil de prever.