Na sala da direção, Bruno de Carvalho começou a conferência de imprensa a falar sobre a saída de Rafael Leão. “Ontem tentei falar com o pai, já percebi que outros valores falaram mais alto e espero que os sportinguista perceberam o que está por trás disto”, disse o presidente do Sporting. Depois, anunciou que ia viabilizar a Assembleia Geral convocada por Jaime Marta Soares.

“Nao reconhecemos Jaime Marta Soarea como presidente da Mesa da Assembleia Geral, não reconhecemos esta sua comissão de gestão, que eu chamo de pelotão de fusilamento, não reconhecemos a forma como foi convocada AG de dia 23” mas isso não impede que o encontro se realize: “Saibam que fomos expulsos de sócios e que não podemos participar na mesma, porque não somos sócios no dia 23, mas vamos disponibilizar aos associados os serviços e vamos permitir que aquele que consideramos ser o ex-presidente da MAG venha amanhã aos serviços conferir todas as formalidades, todos os votos que diz que tem, e nós aos sportinguistas conferimos os meios necessários para que essa AG, que é um julgamento em praça pública onde não vamos podemos estar, decorra”, garantiu Bruno de Carvalho.

Na última conferência de imprensa, no auditório Artur Agostinho, vários adeptos contestaram Bruno de Carvalho. Houve patadas na porta e, desta vez, o presidente o local foi mais resguardado. “Estamos aqui na sala do conselho diretivo e estavam [pessoas] na sala da direção porque havia um conselho leonino, não foi por mais nada”, justificou o dirigente.

Rafael Leão também rescindiu com o Sporting. São já nove os jogadores de saída, três só esta quinta-feira

Ainda sobre Rafael Leão, Bruno de Carvalho diz que o jogador “está esquecido daquilo que foi depoimento dele” na GNR, depois do ataque de Alcochete. “Há três dias fez anos e mandou-me — vou publicar, como é lógico — uma mensagem a dizer “obrigado, presidente boss'”. Os episódios dos últimos dias não são fruto do acaso, considera Bruno de Carvalho. “Não é a Academia, nao são os sonhos, não são pesadelos, é dinheiro e o controlo da SAD”, disse.

Depois, a garantia: “Não nos demitimos, não assumimos que a comissão de gestão tenha alguma legalidade, nem que Jaime Marta Soares seja presidente de mesa alguma, que não é!” E analisa as medidas tomadas pela Comissão de Gestão nomeada por Jaime Marta Soares, presidente da Mesa da Assembleia Geral do Sporting. “Expulsaram-nos de sócio, suspenderam-nos as funções e proibiram a nossa entrada nas instalações do Sporting e deram-nos 10 dias para responder”.

Consequência: Na “Assembleia Geral, que não é uma AG, é um julgamento popular, não podemos estar lá porque não somos sócios”.

Nas últimas semanas, Bruno de Carvalho e Jaima Marta Soares mantiveram posições de força relativamente aos encontros magnos de sócios a realizar. A decisão judicial desta quinta-feira, que inviabilizou as reuniões convocadas por Bruno de Carvalho, foi o motivo para a mudança de posição do presidente do Sporting, suspenso de funções pela comissão de gestão nomeada por Marta Soares.

“Pelos superiores interesses do Sporting, tínhamos de continuar neste caminho e venceríamos, legalmente venceríamos, ninguém tenha dúvidas”, garante o dirigente do clube de Alvalade, mas a opção acabou por ser outra e a mensagem vai direta para os sócios: “Se o tribunal não os deixa falar a 17, deixa-os falar a 23, mas que venha Jaime Marta Soares conferir as assinaturas amanhã”, diz.